Pit Beirer: “as cores dos países são prioridade, mas todos os custos ainda são pagos por nós”

Yamaha

O diretor da KTM Motorsports, Pit Beirer, pediu uma mudança na forma como as federações nacionais tratam dos assuntos relacionados ao Motocross das Nações; o maior evento do calendário mundial do motocross, sendo também a mais antiga corrida de motocross do mundo, chegando a sua 73ª edição em 2019.

O ex-piloto alemão, que disputou a edição de 1997 em Nismes, na Bélgica, refere-se à situação do piloto Tom Vialle, da Red Bull KTM, cortado da equipe da França, atual campeã do evento, após divergências sobre a divulgação do logotipo de um dos patrocinadores de sua equipe no boné oficial da equipe (leia mais detalhes aqui).

Essa disputa tem sido um problema recorrente no evento e já afetou várias outras equipes em edições anteriores.

Beirer acredita firmemente que as federações precisam estar mais conscientes e respeitosas com os patrocinadores das equipes oficiais de fábrica, que levam toda a sua estrutura de competição para o Nações após uma longa temporada.

 

Pit Beirer

 

– Como fãs, todos nós esperamos ansiosamente pelo Nações. É um evento especial, com uma atmosfera especial e um dos maiores públicos do nosso esporte no ano. De certa forma, essa situação pode ser comparada a uma seleção nacional de futebol, mas a grande diferença é que os pilotos pagam seus próprios custos. Apesar de terem um relacionamento fantástico com a maioria das federações, a maioria dos pilotos não recebe apoio financeiro de nenhuma delas durante toda a temporada – disse ele.

– Eu tenho que organizar e fazer contratos para a minha equipe durante os 365 dias do ano e isso significa que precisamos da ajuda dos patrocinadores para estar no mais alto nível profissional; e disso posso falar por todos os meus colegas e outras marcas do paddock que estão em uma situação semelhante. As federações usarem a estrutura das equipes durante uma única corrida no ano, portanto, virar as costas para os seus respectivos patrocinadores e parceiros é algo inaceitável. Se elas fornecessem apoio financeiro, aí sim a discussão seria diferente, mas, acontece o contrário, geralmente os patrocinadores nos ajudam a arcar com orçamentos de milhões de dólares ao longo do ano – explica.

Beirer admitiu estar frustrado com a situação em que Vialle foi substituído por Maxime Renaux. Vialle tem se destacado em sua temporada de estreia no Mundial de Motocross, logo em sua primeira temporada por uma equipe oficial de fábrica.

Ele subiu seis vezes no pódio, conquistou sua primeira vitória, no GP da Suécia, e está disputando o terceiro lugar na classificação da categoria MX2.

O chefe da KTM está ansioso por um melhor compromisso para evitar que situações semelhantes ocorram em edições futuras do Nações, já que o evento é uma das maiores vitrines do esporte, para pilotos, equipes, e claro, patrocinadores.

 

Tom Vialle

 

– É preciso dar e receber. Não há dúvida de que o Nações diz respeito as cores dos países, mas não posso ignorar nossos patrocinadores que fazem a equipe acontecer pelo resto do ano e a quem sou grato. Não é porque temos alguma pressão desses patrocinadores, mas porque é a coisa certa a fazer. Esse compromisso injusto eu não aceito mais e é realmente triste que um jovem piloto que realmente merece seu lugar no time recebeu um “não” por causa disso – continuou.

– Estamos disputando um total de até 25 corridas por ano e acho que o Motocross das Nações precisa ser repensado da maneira como é tratado neste quesito. Gostamos de ter uma política de casa aberta na nossa equipe e não nos importamos que os gerentes e funcionários das federações coordenem o que é necessário para disputar o evento, mas tudo tem um limite e deve haver um comprometimento saudável nessa relação de trabalho. As cores dos países devem ser prioridade, mas contamos com a compreensão de todos, porque os custos ainda são pagos por nós – finalizou.

A equipe oficial Red Bull KTM terá os pilotos Jeffrey Herlings e Jorge Prado representando respectivamente as equipes da Holanda e da Espanha.

O Motocross das Nações 2019 será disputado nos dias 28 e 29 de setembro em Assen, na Holanda.

Yamaha