De coadjuvante a favorito ao título: a trajetória de Cooper Webb no AMA Supercross 2019

Yamaha

Alguém no início da temporada apostava em Cooper Webb como um dos favoritos ao título do AMA Supercross 2019 na categoria 450SX? Se a sua resposta foi negativa, fique tranquilo, a maioria dos fanáticos por essa competição certamente estão concordando com você agora.

Após conquistar dois títulos do AMA Supercross na categoria 250SX Costa Oeste, em 2015 e 2016, havia muitas expectativas sobre como seria o desempenho de Webb na principal categoria do campeonato. E essas expectativas jamais se criaram ao acaso. Seu estilo de pilotagem na 250SX era arrojado e agressivo e suas vitórias eram avassaladoras, sempre levando os fãs ao delírio.

 

Cooper Webb conquistou de forma avassaladora os títulos do AMA Supercross 2015 e 2016 na categoria 250SX Costa Oeste

 

Competindo com a equipe que o projetou profissionalmente, a Yamaha, Webb fez sua estreia na categoria 450SX na temporada 2017, permanecendo com a equipe em 2018. Infelizmente, o desempenho e os resultados em nada lembraram o menino prodígio da 250SX. Ele terminou a temporada 2017 em 13º e a de 2018 em 9º. Seria Webb mais uma vítima da maldição dos pilotos que fazem sucesso na 250SX e depois se transformam em meros coadjuvantes na 450SX? Só o tempo iria dizer.

 

Mesmo de Yamaha, a estreia na categoria 450SX foi difícil, e Webb foi renegado ao papel de mero coadjuvante nas temporadas 2017 e 2018

 

A contratação pela Red Bull KTM e a estreia no Monster Energy Cup

Encerrada a temporada do AMA Motocross 2018, a equipe oficial de fábrica Red Bull KTM anunciou a contratação de Webb para a temporada 2019, para ser o companheiro de Marvin Musquin. Ryan Dungey havia se aposentado e a equipe apostaria todas as suas fichas no francês, precisando apenas de um fiel escudeiro para viver à sua sombra.

Mas o que os fãs de Webb realmente queriam saber é se a troca de equipe traria de volta o desempenho que o consagrou na categoria 250SX. Pelo menos no Monster Energy Cup 2018, disputado em Las Vegas, durante o mês de outubro, essa expectativa foi frustrada. Webb foi apenas o 12º colocado na classificação final do evento.

Será que nem o fato de estar treinando com o lendário Aldon Baker traria Webb de volta aos seus dias de glória?

 

Webb durante sua estreia pela Red Bull KTM, no Monster Energy Cup 2018

 

O começo “previsível” no AMA Supercross 2019

De moto e equipe nova, Webb começou a temporada 2019 do AMA Supercross da mesma forma que havia terminado em 2017 e 2018. Como coadjuvante. Na chuvosa e enlameada abertura em Anaheim, Webb finalizou na 4ª posição, mas na segunda etapa em Glendade foi apenas o 10º colocado. Seria mais uma temporada difícil para o jovem piloto de 23 anos? Felizmente para ele e seus fãs, as próximas etapas contariam uma história bem diferente.

 

Na abertura do AMA Supercross 2019 em Anaheim. Os resultados nas duas primeiras etapas davam a entender que seria mais uma temporada difícil, mesmo com a mudança de equipe

 

Virando o jogo: finalmente as vitórias!

Quando tudo indicava mais uma temporada abaixo das expectativas, Webb finalmente surpreendeu e virou o jogo. Num espaço de sete corridas, entre a terceira etapa em Anaheim 2 e a nona em Atlanta, ele conquistou cinco vitórias, uma especialmente memorável, na sétima etapa em Arlington, no Texas, quando ultrapassou Ken Roczen nos últimos metros antes do salto de chegada (sem dúvida o momento mais inesquecível da temporada).

Webb ainda contou com a inconsistência de seus adversários, o que contribuiu para a sua “gordura” de pontos na liderança da classificação. Se em 2017 e em 2018 as vitórias avassaladoras de Eli Tomac haviam esbarrado na consistência implacável de Ryan Dungey e Jason Anderson, em 2019 a pedra na bota de Tomac chama-se Cooper Webb.

 

Ultrapassagem histórica sobre Roczen nos metros finais do Main Event em Arlington. Sem dúvida, essa é a imagem mais memorável da temporada 2019

 

A ameaça de Tomac e Musquin, e a redenção

Depois de Atlanta, Webb levou quatro etapas para reencontrar a vitória, o que aconteceu durante a 13ª rodada do campeonato, em Houston, no Texas. Mas mesmo com a regularidade em seus resultados, Webb viu sua liderança ameaçada, pelas vitórias de Tomac e pela consistência de seu companheiro de equipe, Musquin (talvez pressionado pela própria Red Bull KTM).

Mas Tomac e Musquin voltaram a marcar bobeira e tudo se “normalizou” para Webb na penúltima etapa em East Rutherford, quando ele chegou a sua sétima vitória na temporada.

Webb vai para a final em Las Vegas, neste sábado, 5 de maio, com 23 pontos de vantagem para Tomac. Musquin, terceiro colocado e 31 pontos atrás, não tem mais chance de título.

Independente de quem fique com o título, assim como na temporada 2018, 2019 coroará um campeão inédito do AMA Supercross na categoria 450SX, já que Webb e Tomac nunca foram campeões na categoria principal.

Além da obrigação da vitória, para tirar o déficit de 23 pontos, Tomac precisa torcer para que Webb chegue no máximo em 21º (o pior resultado do piloto da KTM foi o 10º lugar em Glendale)!

Obviamente o piloto da KTM precisa apenas entrar na pista e cumprir com o seu papel, já que é o virtual campeão. Mas após esta trajetória tão incrível durante toda a temporada 2019 do AMA Supercross, a pergunta que fica é: no início do campeonato, você apostava nele? Duvido!

 

Em East Rutherford, sétima vitória na temporada e uma mão na taça antes da final em Las Vegas

Yamaha