Um dos principais nomes do enduro gaúcho, Altair Bordignon celebra 32 anos de esporte

Altair Bordignon: quase 40 anos de motociclismo, mais de 30 competindo – Foto: Arquivo Pessoal

 

Reportagem: Guilherme Augusto / Federação Gaúcha de Motociclismo

 

A história de Altair Bordignon acompanha o desenvolvimento do mercado de motos no Brasil. Filho de um revendedor de Lambretta, começou a pilotar nos anos 1960, passou por modelos importados e nacionais de todas as configurações e encontrou no Enduro de Regularidade a sua nova casa.

De lá pra cá são 32 anos dedicados ao esporte, mais de 750 troféus na estante, conquistas nacionais e muitas aventuras para contar. Por isso, a Federação Gaúcha de Motociclismo (FGM) aproveita a passagem do Dia do Motociclista, em 27 de julho, para apresentar a história deste gaúcho de Erechim.

 

Lambretta, Xispa, RD, CB 500 Four, “7 Galo”

A relação de Altair com o motociclismo iniciou antes mesmo do seu nascimento, em 1955. No início daquela década o pai e o tio, José e Grandino, abriram uma oficina de Lambretta e motociclos. Depois, se tornaram concessionários da marca italiana no começo dos anos 1960, vendendo motos para o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Desta forma, o futuro piloto acostumou a ouvir o ronco dos motores desde cedo. Aos 8 anos já aprendeu a pilotar. Aos 13 ganhou uma Vespa, depois uma Lambretta e uma Xispa. Mais tarde veio a importada RD 125 e a Suzuki GT 250, também japonesa.

– Aos 22 ganhei uma CB 500 Four, a primeira moto de quatro cilindros de Erechim, que me acompanhou nas primeiras viagens para fora do estado – relembra.

Altair com sua CB 500, a primeira moto de 4 cilindros da cidade de Erechim – Foto: Arquivo Pessoal

 

Por falar em viagens, foi sobre duas rodas que Altair conheceu o Brasil. Em um desses episódios pôde assistir à primeira corrida do Mundial de Motovelocidade realizada no Brasil, em 1987, em Goiânia, Goiás. Para isso, percorreu cerca de 3.000 quilômetros com uma CB 750 Four, a famosa “7 Galo”.

Altair com sua CBX 750, a icônica “7 galo” – Foto: Arquivo Pessoal

 

Altair (de azul) com amigos em Brasília, durante viagem de moto para Goiânia, para assistir a primeira prova do Mundial de Motovelocidade no Brasil – Foto: Arquivo Pessoal

 

O amor pelo off road

Em 1981, aos 25 anos, adquiriu sua primeira moto de uso misto, a recém-lançada Honda XL 250R, e com ela passou a desbravar o interior da região. Três anos depois participou da primeira prova de Enduro de Regularidade, mas foi só em 1989 – e com muita insistência dos amigos -, que decidiu se dedicar à modalidade. E não parou mais.

Bordignon com sua XL 250R, primeiro modelo usado por ele nas trilhas – Foto: Arquivo Pessoal

 

Estreou na Copa Vale do Rio Uruguai. Descobriu o sabor da vitória já na terceira etapa e sagrou-se campeão na primeira temporada. Depois vieram os campeonatos Gaúcho, Brasileiro, Catarinense, Copa Motocar, Copa Sudoeste do Paraná, Copa Oeste de Santa Catarina, e também eventos como o Cerapió, o Piocerá e o Ibitipoca, já em 2019.

O relacionamento com o enduro iniciou em 1984, mas foi só em 89 que ficou sério – Foto: Arquivo Pessoal

 

E o Enduro da Independência. Foram dez participações na prova que se tornaria a favorita do piloto. Dessa forma, a estreia foi com vitória, em 1997, já aos 42 anos, na classe Over 35.

– Foram muitas experiências incríveis. Em outra edição fui aplaudido por todos ao dizer em uma entrevista que “todo piloto de Regularidade tem que fazer o Independência ao menos uma vez. Senão, é como ir para Roma e não ver o papa. E se for ao pódio é um abençoado” – recorda.

No topo do pódio no Enduro da Independência, em 2011 – Foto: Arquivo Pessoal

 

Principais títulos

Hoje com 65 anos, o gaúcho de Erechim guarda com carinho os símbolos de suas conquistas. Ao todo, são 60 títulos, 23 vice-campeonatos, 750 troféus e 64 medalhas.

Com as principais conquistas, Altair é heptacampeão Brasileiro de Enduro de Regularidade, pentacampeão Sul-Brasileiro de Enduro de Regularidade e, também, 13 vezes campeão Gaúcho da modalidade. Ainda, faturou 11 vezes a Copa Motocar e três títulos do Enduro da Independência.

São mais de 30 anos dedicados às aventuras e perrengues do enduro de regularidade – Foto: Arquivo Pessoal

 

Papai “Bordignon” Noel

Talvez só exista uma coisa que faz Altair mais feliz do que colocar sua moto nas trilhas do Independência: seu projeto natalino. Assim, desde 1989 ele e amigos saem pelas ruas e interiores de Erechim e região para distribuir balas e brinquedos – todos pilotando motos, claro.

– Tudo surgiu nas localidades do interior, como uma forma de agradecer ao pessoal que deixava a gente treinar nos sítios e trilhas. Fomos tão bem recebidos que nos motivamos a aumentar a ação e a realizamos todos os anos. Hoje temos um grupo de 15 “Noeis” e uma porção de histórias emocionantes para contar, de gente simples, pessoas que disseram que jamais esquecerão do dia em que foram visitadas por nós – resgata o veterano motociclista.

 

 

Os “Noeis Motociclistas” fazem sucesso na região de Erechim desde os anos 1980 – Foto: Arquivo Pessoal

 

Confira mais fotos…

Foto: Angelo Savastano

 

Foto: Arquivo Pessoal

 

Bordignon segue na ativa. Nesta foto, participando do Enduro das Neves em Santa Catarina – Foto: Arquivo Pessoal

 

Celebrando a vitória no Enduro dos Vinhedos – Foto: Arquivo Pessoal

 

Bordignon (à direita) participando do Enduro Serra-Mar, no Rio de Janeiro, ao lado do amigo Adilson, em 1998 – Foto: Arquivo Pessoal

 

Foto: Arquivo Pessoal

 

No pódio do Polenta Off-Road em 2016. Vitória na categoria Over 55 – Foto: Arquivo Pessoal

 

Preparando sua DT para encarar o Pampas Off-Road, em 2005 – Foto: Arquivo Pessoal

 

Sempre entre amigos, desbravando o interior de Erechim – Foto:Arquivo Pessoal