Sem pressão, Ryan Villopoto está pronto para curtir sua aposentadoria

Yamaha
villopoto_cudby
Ryan Villopoto durante a cerimônia de abertura do Monster Energy Cup – Crédito: Simon Cudby

 

Em abril de 2015, o norte-americano Ryan Villopoto sofreu uma queda durante a quarta etapa do Mundial de Motocross em Trentino, na Itália, fraturou o cóccix e abandonou o resto da temporada.

Aquela corrida ficaria marcada para sempre como a última participação de RV2 em uma prova como profissional. Em julho, o atleta confirmou a aposentadoria aos 27 anos.

Porém, na Monster Energy Cup 2015, que aconteceu no sábado passado, 17, em Las Vegas, Villopoto participou da cerimônia de abertura e dos dois treinos classificatórios – e mostrou estar em ótimas condições.

No mesmo dia, o site americano Racer X conversou com o piloto. Confira abaixo os melhores trechos da entrevista!

 

Você está aqui com a sua equipe, todos os seus fãs cercando a área de box para te ver, e você causou uma emoção em todos que te assistiram nessa tarde durante os treinos. Considerando tudo, pode ser confundido com uma etapa do Supercross e que você faz parte dela. O que você pensa?
Ryan Villopoto:
Sim, é legal. É uma sensação diferente. Agora não há nenhuma pressão, sabe? É um sentimento muito divertido. Correr, de maneira geral, tem muita pressão. Todo mundo trabalha duro – tanto a equipe quanto outras pessoas – e não importa se você dá o seu máximo, se tivermos um erro, ou as coisas não acontecerem, torna tudo muito difícil. Você vê isso o tempo todo, os caras trabalham muito, mas acabam se machucando e a equipe toda sofre. Agora é legal estar aqui e andar com a maioria dos caras, testando todas as condições da corrida. E é bom estar envolvido com a equipe e ainda ser capaz de andar com eles.

Como foram os seus tempos?
Ryan Villopoto: Acho que todos estão muito próximos. Acho que estava em 17º e todos os tempos eram muito próximos. E para ser honesto, só estive dois dias em uma moto após a queda.

Como você se sentiu andando entre todos esses caras hoje?
Ryan Villopoto: A pista é muito fácil, não é uma pista real de supercross. Fui capaz de saltar em tudo, mas andar foi difícil. De maneira nenhuma eu poderia correr, não estou em forma e velocidade para isso, mas foi legal.

E como eles reagiram dentro da pista?
Ryan Villopoto: Foi tranquilo, acho que ninguém pensou que era real. Eu recebi um telefonema, basicamente para vir à passeio na cerimônia de abertura e fazer uma volta com os vencedores passados. Para fazer isso, eu teria que ser capaz de andar na pista, então dei umas voltas para fazer isso.

 

villopoto_cudby4
Villopoto nos treinos do MEC – Crédito: Simon Cudby

 

Será que nada disso faz você querer correr novamente?
Ryan Villopoto: Como eu disse, é divertido estar aqui, apenas correr para praticar, mas eu não tenho nenhum estresse agora. O estresse transforma em outro negócio e como disse, já lidei com isso e não é um sentimento bom. Quer dizer, todo mundo tem seu limite e pode lidar de maneira diferente. Mas isso não é algo real, estou me divertindo agora, mas não vou correr.

Eli Tomac está lá com todos os membros da equipe – que trabalharam com você e para você – e sei que ele está observando como o time funciona. Você conversou bastante com ele? Todos nós sabemos que ele está aqui para substituí-lo e isso traz muita pressão.
Ryan Villopoto: Sim, mas todo mundo que alinha no gate tem essa pressão, entende? Especialmente se tem toda uma equipe por trás. Todo mundo se sente assim. Não tenho falado muito com Eli, cheguei ontem.

O que você tem feito agora que é um homem aposentado? Se divertindo?
Ryan Villopoto: Sim! Eu tenho viajado muito e basicamente recolhendo minhas coisas na Europa. Tenho ido viajar a trabalho, mas a última coisa que quero fazer é pegar outro voo. Estou fazendo coisas em casa também.

Hoje em dia há qualquer tipo de indício que você vai continuar trabalhando para a Kawasaki?
Ryan Villopoto: Esse é o meu plano. Estamos esperando trabalhar com o pessoal, vamos ver como vai ser. Eu gostaria, mas preciso ver o que eles querem fazer.

No futuro, se você pudesse escolher qualquer corrida para competir, você faria isso?
Ryan Villopoto: Não, você não pode simplesmente entrar e correr. Eu não fiz nenhum treinamento e não andei antes. Mesmo aqui, isso não é uma pista de supercross real. Você tem que estar pronto para competir, você tem que estar andando e treinando para ser capaz de fazer isso. Hoje à noite serão dez voltas, mas mesmo quando você está em forma, não é fácil.

Yamaha