Resultados dos brasileiros no Ricky Carmichael Daytona Supercross 2016

ramyller_facebook
Ramyller Alves, 18 anos – Crédito: Divulgação

 

Os brasileiros estão cada vez mais engajados em participações em corridas nos Estados Unidos. No início desta semana, pelo menos oito pilotos “brazucas” correram no Ricky Carmichael Daytona Supercross 2016, uma das mais badaladas competições amadoras dos EUA.

Na mesma pista da nona etapa do AMA Supercross 2016, dentro do Daytona Speedway – um dos autódromos mais famosos do mundo -, os pilotos brasileiros se dividiram em diversas categorias, das mais “amadoras” às “semiprofissionais”.

O melhor desempenho foi de Ramyller Alves, atleta de 18 anos que nasceu nos Estados Unidos mas é filho de brasileiros de Minas Gerais. Competindo em categoria semiprofissionais, Ramy se colocou entre os cinco melhores, lugar para onde estão voltando os olhos dos grandes patrocinadores.

O paranaense Pepê Bueno também andou bem. Conquistou o sétimo lugar na categoria 250B, uma das classes mais acirradas, e ficou em décimo lugar na 450B mesmo correndo com moto de 250cc. E Gabe Gutierres, também nascido nos Estados Unidos e filho de brasileiros, foi bem nas classes Schoolboy, que é bem disputada.

Mas teve até brasileiro campeão. Aliás, tricampeão. Após vencer em 2014 e 2015 a categoria 450 C (21+), o paranaense Diego Tavares, 30 anos, venceu  Vet B/C (30+) em 2016.

Outro que conseguiu grandes resultados nas categorias de “veteranos” foi o goiano Jânio Rezende. Ele foi vice-campeão a Vet B/C (30+) e terceiro colocado na Sênior B/C (40+).

Kevyn de Pinho também é norte-americano filho de brasileiros que se mudaram para os Estados Unidos. Com seis anos de idade, o garotinho foi um dos destaques a conquistar o quinto lugar na categoria das 50cc.

Veja os resultados de cada brasileiro abaixo:

 

Ramyller Alves
5º na 250A
3º na 250 All-Star
6º na Open Pro Sport

Pepê Bueno
7º na 250B Limited
10º na 450B

Gabe Gutierres
7º na Schoolboy 1 (12-16 anos)
11º na Schoolboy 2 (13-16 anos)

Diego Tavares
diegotavares

Campeão na Vet B/C (30+ anos)
14º na Junior (25+ anos)

 

John Pedro Rezende
6º na 250C Limited
6º na 450C (14-20 anos)

Jânio Rezende
Vice-campeão na Vet B/C (30+ anos)
3º na Sênior B/C (40+ anos)

Ricardo Souza
8º na 450C (21+ anos)
15º na 250C Limited
19º na 250C (17+ anos)

José Antonio Filho Pedro
22º na Mini Sr

Kevyn de Pinho

 5º na 51cc Limited (4-6 anos)
5º na 51cc Limited (4-6 anos)

 

 

E quem comandou a parada nas categorias “pró”?

minios6_mauhaas-2
Austin Forkner – Crédito: Mau Haas / BRMX

 

Nesta competições amadoras, é sempre legal ficar de olhos nos pilotos que fazem Top 10 nas classes 250A, 450A, 250B, 450B, Schoolboy 1 e 2, e as “all-star” e “pro sport”. É por elas que passam os atletas que em breve veremos nas pistas do AMA Motocross e AMA Supercross. Olho neles!

 

Veja alguns resultados

250A
1. Austin Forkner (Kawasaki)
2. Cameron McAdoo (Kawasaki)
3. Sean Cantrell (KTM)
4. Michael Mosiman (Husqvarna)
5. Ramyller Alves (Yamaha)

250 All Star (A+B)
1. Bradley Taft (Yamaha)
2. Cameron McAdoo (Kawasaki)
3. Ramyller Alves (Yamaha)
4. Brandon Hartranft (Yamaha)
5. Austin Forkner (Kawasaki)

250B
1. Mitchell Falk (KTM)
2. Dylan Walsh (KTM)
3. Julio Cesar Zambrano (Kawasaki)
4. Nolan Heppner (Yamaha)
5. Max Markolf (KTM)

450B
1. Wilson Fleming (Yamaha)
2. Max Markolf (KTM)
3. Jake Masterpool (Yamaha)
4. Dylan Greer (Yamaha)
5. Nolan Heppner (Yamaha)

 

*Errata: até às 18h de sexta-feira, 11, esta matéria informava que Challen Tennant, da KTM, havia sido campeão da Schoolboy 1. Porém, este resultado é de 2015. Em 2016, Tennant sequer correu o RCSX por causa de uma lesão nas costas.