Rally dos Sertões 2013 começa valendo pontos em dobro para o Mundial de Rally Cross Country nas motos e quadris

Yamaha

Desafio para pilotos e belas paisagens para as fotos – Foto: DFotos / Vipcomm

O Rally dos Sertões, uma das maiores provas off-road do mundo, começa nesta quinta-feira, 25, em Goiânia com o prólogo e super prime, que vão definir a ordem de largada da primeira etapa, na sexta-feira, 26, entre a capital de Goiás e a cidade de Pirenópolis.

Ao todo serão 4.115 quilômetros, sendo 2.488 de trechos cronometrados durante 10 dias de competição pelos estados de Goiás e Tocantins. De acordo com a lista extraoficial divulgada pela organização do evento, serão 48 motos, 14 quadriciclos e 7 UTVs. A prova também é aberta a carros e caminhões.

Veja também
>>> Galeria de fotos do primeiro dia de 2012
>>> O desgaste de um dia acompanhando o Rally dos Sertões

A edição 2013 será especial para as categorias Motos e Quadriciclos, válidas pelo Mundial de Rally Cross Country. E mais: a pontuação é dobrada, o que garantirá disputas acirradas entre os melhores pilotos do Brasil e do mundo, entre eles os brasileiros Jean Azevedo, Dário Júlio, Nielsen Bueno, os irmãos Ike e Guto Klaumann, Dimas Mattos, Deni do Nascimento e Ramon Sacilotti, o espanhol Marc Coma, os franceses Cyril Despres, David Casteu, Michel Metge, os portugueses Paulo Ponte e Paulo Gonçalves, e o polonês Jakub Przygonski.
 
– O Sertões desse ano será muito disputado nas motos, já que a prova é válida pelo Mundial e ainda tem peso 2. O formato da prova atraiu vários estrangeiros que estão na disputa do Campeonato – diz Dário Júlio, piloto e gestor da equipe Honda Mobil.

Jean Azevedo, que está em busca do hexacampeonato na classificação geral das Motos, é um dos brasileiros mais experientes no Sertões. Além da participação em duas rodas, o paulista de São José dos Campos já competiu nos Carros.

– Vai ser um dos ralis mais difíceis esse ano e pela primeira vez vou em busca do sexto título com a equipe oficial Honda Mobil – diz.
 
Além dos pilotos da categoria Motos, os brasileiros Robert Nahas e Ricardo Purri, da Equipe Mobil Honda RNN Sports, vão competir entre os quadriciclos.
 
Nesta terça-feira, 23, a organização iniciou as vistorias técnicas dos carros, motos, caminhões, quadris e UTVs que vão fazer parte da competição.
 
 

:: Programação Rally dos Sertões 2013

 
1ª etapa: quinta-feira (25/7)
Goiânia (GO) – Arena Sertões, próximo ao Shopping Flamboyant
Prólogo
Super prime
Largada promocional
 

2ª etapa: sexta-feira (26/7)
Goiânia (GO) – Pirenópolis (GO)
Deslocamento Inicial: 133 km
Trecho de Especial: 84 km
Deslocamento Final: 32 km
Total: 249 km
 
Resumo: É uma especial bastante curta, específica para o ajuste dos equipamentos dos competidores. É um caminho que começa sinuoso com muitos mata-burros, lombas e depressões, seguindo por um trecho mais rápido e com travessias de riachos. A prova entra em uma parte mais travada com muitas descidas e subidas íngremes, chegando a uma zona de trial muito dura. Nos últimos quilômetros, a especial fica mais tranquila com estradas de média velocidade, seguindo assim até o final.
 

3ª etapa: sábado (27/7)
Pirenópolis (GO) – Uruaçu (GO)
DI: 37 km
TE: 287 km (183 km para caminhões)
DF: 89 km
Total: 414 km
 
Resumo: O rali começa para valer. Após um rápido deslocamento, a especial começa com estradas mais travadas de fazendas, seguindo por trechos de velocidade média mesclando com algumas trilhas de visual incrível por cristas e serras. A prova entra em uma região de canaviais onde a velocidade aumentará muito e com um piso extremamente favorável a isso. Depois de um deslocamento por asfalto e um abastecimento para motos, quadriciclos e UTVs, a prova volta a ficar travada e assim segue até o fim.
 

4ª etapa: domingo (28/7)
Uruaçu (GO) – Porangatu (GO)
DI: 31 km
TE: 233 km (180 km para caminhões)
DF: 25 km
Total: 289 km
 
Resumo: É uma etapa de quilometragem baixa, mas o ritmo continua a crescer. A especial começa com piso bom com velocidades variando de média a alta, alternando trechos de piçarra com estradas cascalhadas. Entramos em um trecho com longas retas, mas onde o piso não ajuda muito. A especial começa a ficar travada e sinuosa com estradas de fazenda e trilhas, seguindo assim até o abastecimento de motos, quadriciclos e UTVs. Na última parte a prova fica travada, entrando nos 20 quilômetros finais com retas maiores com muitas depressões e erosões.
 

5ª etapa: segunda-feira (29/7)
Porangatu (GO) – Natividade (TO) [ETAPA MARATONA]
DI: 82 km
TE: 295 km (135 km para caminhões)
DF: 110 km
Total: 487 km
 
Resumo: Mais um dia completo. A especial começa por estradas menores com muitas erosões e depressões em uma região montanhosa. Depois segue por um pequeno trecho de trial, e logo à frente começam estradas de piso bom e sinuoso, seguindo por partes de alta velocidade até o abastecimento de motos, quadriciclos e UTVs. Depois disso a especial volta a ter trechos bem travados e segue por vários quilômetros alternando estradas de pedra, areia e muita piçarra. No trecho final, ela fica bem rápida e sinuosa.
 

6ª etapa: terça-feira (30/7)
Natividade ((TO) – Palmas (TO)
DI: 27 km
TE: 355 km (182 km para caminhões)
DF: 43 km
Total: 424 km
 
Resumo: Esta é a etapa mais rápida do rali. Começa com estradas sinuosas com um piso predominantemente de piçarra e cascalho, seguindo por trechos de alta com longas retas. Teremos um pequeno trecho de areia até o abastecimento para os competidores CBM/FIM, e a prova continua rápida quebrando o ritmo por duas vezes, entrando em estradas menores e bastante sinuosas. No último quarto da especial, a prova volta a ficar rápida com um piso bom muito bom, até uma descida de serra, que encerra o trecho.
 

7ª etapa: quarta-feira (31/7)
Palmas (TO) – Palmas (TO)
DI: 109 km
TE: 514 km (142 km para caminhões)
DF: 123 km
Total: 746 km
 
Resumo: Temos o dia mais longo do rali e uma das maiores especiais da história do Sertões. Ela é completíssima, com todos os tipos de terreno, iniciando com estradas de média velocidade com muitas erosões e depressões, seguindo por trechos mais travados com muitas pedras, pontes de toras e areia. Travessias de rios e riachos serão uma constante nesta etapa fantástica. Seguiremos por estradas de cascalho com longas retas até entrarmos definitivamente nas areias do Jalapão. Teremos dois abastecimentos para motos, quadriciclos e UTVs e um abastecimento para os carros. A prova volta a ficar travada com um pequeno trecho de trial, seguindo sinuosa e com um piso melhor até o fim.
 

8ª etapa: 1/8, quinta-feira
Palmas (TO) – Minaçu (GO)
DI: 312 km
TE: 333 km (258 km para caminhões)
DF: 20 km
Total: 666 km
 
Resumo: Depois de um longo deslocamento inicial, teremos mais uma especial de respeito. Começa rápida com piso de cascalho muito bom, seguindo por estradas menores e bem sinuosas, com muitas deps, lombas, riachos e pedras. Fica rápida novamente até o abastecimento dos competidores CBM/FIM. O piso continua rápido até chegarmos a uma região montanhosa com subidas muito íngremes, trechos de trial, visuais incríveis e uma longa descida de serra. O último trecho é bem travado, com várias pontes de toras, deps, trilhas e pedras até o final.
 

9ª etapa, sexta-feira (02/08)
Minaçu (GO) – Goianésia (GO)
DI: 32 km
TE: 264 km (231 km para caminhões)
DF: 253 km
Total: 550 km
 
Resumo: Mais um dia para ficar na memória de todos os participantes, porque vai ser mais um estágio completíssimo. Começa com uma subida de serra sinuosa com depressões e lombas, atravessando uma zona de garimpo e seguindo por um trecho muito rápido até o abastecimento das motos, quadris e UTVs. O piso fica travado com trilhas e caminhos menores, passando por estradas de fazenda, direcionando para a última parte da prova com velocidades mais altas, mas com muitas lombas até o fim.
 

10ª etapa, sábado (03/8 – Final)
Goianésia (GO) – Goiânia (GO)
DI: 7 km
TE: 123 km
DF: 160 km
Total: 290 km
 
Resumo: Após oito etapas duríssimas, chegou a hora de desacelerarmos um pouco. A especial começa rápida por canaviais com piso extremamente bom e muitas lombas, seguindo por trechos de serra com visuais fantásticos e retornando para estradas de fazenda com muitas depressões e pedras até o final da especial.
 

:: Campeões do Rally dos Sertões na categoria motos

2012 – Felipe Zanol
2011 – Cyril Despres (França)
2010 – Marc Coma (Espanha)
2009 – José Hélio
2008 – José Hélio
2007 – José Hélio
2006 – Cyril Despres (França)
2005 – Jean Azevedo
2004 – Jean Azevedo
2003 – José Hélio
2002 – Jean Azevedo
2001 – Tiago Fantozzi
2000 – Jean Azevedo
1999 – José Hélio
1998 – Heinz Kinigadner (Áustria)
1997 – Juliano Sacioto
1996 – Juca Bala
1995 – Jean Azevedo
1994 – Juca Bala
1993 – Gilmar dos Anjos


* Com informações da Vipcomm, assessoria de imprensa da equipe Honda

Yamaha