Quatro grandes nomes do motociclismo brasileiro levam Prêmio Capacete de Ouro 2020

Paulo Alberto, da Yamaha Racing, após conquistar dois títulos no Brasileiro de Motocross 2020 – Foto: Tiago Lopes/CBM

 

O público votou e escolheu os melhores pilotos do motociclismo brasileiro na temporada de 2020. A Revista Racing divulgou na noite desta terça-feira, 2 de fevereiro, de forma digital, a lista de vencedores do 24º Capacete de Ouro, um dos maiores e mais tradicionais prêmios do esporte a motor do país. Foram estabelecidas quatro modalidades dentro da categoria que elege os melhores nas duas rodas. São elas: Enduro, Rally, Motocross e Motovelocidade.

Quem deixou sua marca no asfalto foi Ton Kawakami, de apenas 19 anos. O piloto da Yamaha Racing Brasil escreveu seu nome na categoria “Motovelocidade” após fazer uma temporada brilhante nas competições internacionais. Ele conquistou a vitória na última etapa do Espanhol de Superbike de 2020 e ficou entre os 20 primeiros no Mundial do mesmo ano. Na temporada anterior o jovem já havia alcançado um feito inédito ao se tornar o primeiro brasileiro a conquistar a pole-position no Mundial de SBK, na classe SuperSport 300, a bordo de sua YZ-F R3.

– Estou muito feliz por receber o Capacete de Ouro da temporada 2020 de motociclismo. É uma honra receber um prêmio tão tradicional. Gostaria de agradecer a todos os patrocinadores, à Yamaha, à AD78, ao Alan Douglas por todo suporte, sem eles nada seria possível. E agradecer a todos que votaram em mim, que me escolheram. Agora é trabalhar para repetir em 2021 – disse Kawakami.

A equipe azul também se destacou nas provas off-road. O português Paulo Alberto, de 31 anos, levou a melhor na categoria “Motocross”. No Brasileiro de Motocross 2020 – conhecido por BRMX -, promovido pela CBM (Confederação Brasileira de Motociclismo) ele se consagrou campeão das classes Elite MX e MX1, principais da competição. Ainda em 2020, levou a melhor em um evento privado da mesma modalidade. Desde 2013 o piloto faz história no país, em cima de sua YZ450F.

– Estou muito feliz de ter recebido o Capacete de Ouro na modalidade de motocross. Foi um ano muito bom para mim e para minha equipe, trabalhamos bastante para conseguir esses títulos e esse prêmio nada mais é do que uma recompensa pelo ano de 2020. Agora vamos lutar para que seja igual em 2021 – ressaltou.

No Rally, Ricardo Martins, o mais velho da turma, com 40 anos, levou o maior número de votos populares. O “Rei do Jalapão” foi campeão do Sertões 2020. Na sua bagagem, carrega a vitória nas categorias Marathon (2011) e Super Production (2018). Além disso, possui uma participação no Rally Dakar, a mais longa e perigosa prova de rali do mundo.

– Estou muito feliz em conquistar esse prêmio. Há alguns anos venho raspando, batendo na trave, agora chegou minha vez. Isso é um reflexo do trabalho que fiz durante o ano passado, trabalhei a parte psicológica e fui mais forte para as corridas. Isso me dá forças para lutar ainda mais em 2021. Só tenho que agradecer toda organização do Brasileiro de Rally, além da minha equipe Yamaha Racing/ IMS Team e todos que votaram em mim –  discorreu o piloto.

A equipe Honda Racing Brasil não ficou atrás e garantiu um piloto entre os mais votados. Bruno Crivilin, de apenas 23 anos, foi o vencedor da categoria “Enduro”. Esta é a terceira vez que ele se destaca no Capacete de Ouro: em 2018 saiu como revelação, garantindo a dobradinha no ano seguinte. Em 2020, conquistou a medalha de bronze inédita no Mundial de Enduro na categoria J1. É o atual tricampeão brasileiro nas categorias Enduro GP e E1, tudo isso acelerando sua CRF 250RX.

– Quero agradecer a revista Racing por ser premiado mais uma vez com o Capacete de Ouro, um dos troféus mais requisitados do Brasil no nosso meio. Estou muito feliz e firme nos trabalhos para tentar conquistar o prêmio em 2021 também – destacou Crivilin.

Bruno Crivilin, da Honda Racing Brasil, após conquistar o bronze no Mundial de Enduro 2020 – Foto: Janjão Santiago

 

Bicampeão do Sertões e do Brasileiro de Rally Cross Country, Tunico Maciel, que faleceu após queda na última etapa do Sertões no ano passado, recebeu uma homenagem póstuma do Capacete de Ouro 2020.

A CBM parabenizou todos os pilotos premiados, além dos demais indicados. Os atletas filiados à entidade são os grandes responsáveis pelo sucesso do motociclismo no país.

 

22º Moto de Ouro

Quase 10 mil votos vindos de diversas partes do país fizeram a 22ª edição do Moto de Ouro, evento que premia as melhores motocicletas em 13 diferentes categorias, além de eleger as melhores marcas nos quesitos de imagem: Qualidade, Emoção, Publicidade, Satisfação do Cliente e Melhor Negócio. Assim como na festividade que elege os melhores atletas, o Moto de Ouro aconteceu de maneira remota.

A marca dos três diapasões conquistou dois prêmios em quesitos de imagem – Qualidade e Emoção. No que diz respeito a produtos, a Yamaha também tem motivos para comemorar. Dentre 13 categorias, ela ficou com cinco troféus: MT-03, Tracer 900 GT, YZ450F, XMAX 250 ABS e Lander 250 ABS, com as categorias City, Crossover, Moto Verde, Scooter e Trail, respectivamente.

A Honda, por sua vez, também faturou dois prêmios de imagem – Melhor Negócio e Publicidade. Em termos de produtos a Honda ficou com os troféus das categorias CUB, com a Biz 125, Maxitrail, com a CRF1000L Africa Twin e Touring, com a GL 1800 Gold Wing.

BMW, Ducati, Harley-Davidson, Kawasaki, Triumph e a estreante Voltz também foram conclamadas pelos seguidores da revista como campeãs de categorias no 22º Moto de Ouro.