MXGP: Cairoli motivado para uma revanche com Herlings em 2019

Tony Cairoli – Foto: divulgação KTM

 

Embora restrito ao seu desempenho mais baixo em 10 anos na categoria MXGP, o piloto da Red Bull KTM, Tony Cairoli, viveu em 2018 uma das suas melhores temporadas.

O siciliano subiu ao pódio 14 vezes e foi a única ameaça consistente à hegemonia de seu companheiro de equipe, Jeffrey Herlings, apesar de ser nove anos mais velho que seu rival.

Cairoli foi gracioso na derrota: pela primeira vez desde 2009 ele foi derrotado sem ter que lidar com alguma lesão séria (fraturou o braço em 2015 – vencendo apenas dois GPs nesta temporada – e sofreu danos nos nervos do pescoço em 2016, vencendo apenas três GPs na ocasião), mas garante que o título conquistado por Herlings serviu apenas como mais motivação para os dois anos que lhe restam de contrato com a equipe de fábrica da KTM.

– Sem queixas, Jeffrey venceu 16 de 19 corridas que disputou, ele foi o mais rápido e eu tentei me manter forte o tempo todo. Temos que trabalhar mais se quisermos acompanhar o ritmo dele e eu sei que é muito difícil conseguir isso em todas as voltas. É muito difícil acompanhar o ritmo dele. Sei que ainda posso ser competitivo e tenho que trabalhar um pouco mais para ser forte durante toda a corrida, mas é um bom desafio – disse Cairoli.

– Acho que foi uma das minhas melhores temporadas. Lutei contra pequenas lesões no polegar, no joelho e na mão, mas a velocidade com certeza era inacreditável e, quando estávamos próximos um do outro, travamos disputas intensas e abrimos uma boa vantagem em relação aos demais. Isso significa que estamos pilotando muito rápido, por isso estou feliz, mas não tanto com minha condição durante toda a corrida com Jeffrey, e este é o único ponto em que preciso trabalhar para melhorar um pouco – continuou.

Apesar de travar grandes batalhas com Gautier Paulin, Max Nagl, Clement Desalle e Tim Gajser, Cairoli foi rápido em creditar o talento e preparo físico de Herlings.

– Tive um concorrente muito forte neste ano e a grande diferença de idade entre nós dois foi um obstáculo a mais. Ele elevou o nível da nossa categoria para outro patamar e é difícil acompanhá-lo o tempo todo. Tentei ficar próximo o tempo todo, em todas as corridas e até certo ponto funcionou. Reitero que preciso trabalhar em cima disso um pouco mais para o ano que vem.

Em 2019, ao lado de Kevin Strijbos, Cairoli será o piloto mais velho a alinhar no gate e, ainda em relação a sua idade, ele revela que isso muda inclusive a forma como se prepara fisicamente para as corridas.

– Quando você tem 24 ou 25 anos, é um pouco mais fácil se recuperar das lesões. Agora, quando eu acordo, preciso imediatamente ir no banheiro antes de fazer qualquer coisa (risos). É um pouco mais difícil, mas eu ainda gosto do que faço.

Cairoli é conhecido pela sua consistência e capacidade de ultrapassar e superar adversários, mas voltou a admitir que Herlings elevou o nível e o desempenho dos pilotos na MXGP.

– Se tem um cara mais rápido que você, ele passa a ser sua referência. Mas também é arriscado. A velocidade as vezes é bastante assustadora. Não ultrapasso o limite porque conheço os riscos desse esporte. Se eu puder melhorar algumas coisas, vou tentar manter o ritmo e buscar outro título, essa com certeza é a minha meta. Até 2020 estarei com a KTM na classe MXGP, então estou muito empolgado. Ainda assim, não vou ultrapassar os meus limites. Quero estar sempre no controle.

Enquanto isso, Herlings também é inteligente o bastante para não presumir que o perigo de Cairoli evaporou.

– Atualmente somos os dois melhores pilotos, pelo menos na Europa e no Mundial de Motocross. Tentamos ultrapassar os nossos limites e, claro, sou mais jovem e talvez isso seja uma vantagem. Definitivamente a próxima temporada não será fácil porque Tony é o melhor e se você olhar cinco anos atrás, acho que ele é um piloto melhor do que agora. Ele também está em um nível muito alto e isso pode ser notado se comparado com os outros pilotos – disse Herlings.

Jeffrey Herlings – Foto: divulgação KTM

 

Herlings e Cairoli serão os únicos pilotos da Red Bull KTM na categoria MXGP em 2019.

Jorge Prado também terá um companheiro de equipe na MX2 no ano que vem, mas esse piloto ainda precisa ser confirmado, já que o letão Pauls Jonass assinou com a Rockstar Energy Husqvarna.