Mini Os 2014: cai o gate para o motocross e o clima esquenta

Mini Os 2014 motocross
Salto após a largada – Foto: Mau Haas / BRMX

 

Quando cai o gate para o motocross, a coisa muda. Depois de três dias de supercross no Mini Os 2014, as corridas classificatórias de motocross deram outro tom para a competição. É mais velocidade, mais buraco, mais canaleta, descidas, subidas, e mais adrenalina. O supercross foi emocionante, mas o motocross tem algo mais.

A pista é impressionante (para os padrões brasileiros). Comparando com os circuitos tupiniquins, tudo é maior na competição amadora dos Estados Unidos. Retas são maiores, curvas são mais abertas, seção de costelas e canaletas são mais difíceis e os buracos tomam conta de todo traçado. Há opções de ultrapassagens e o gate está sempre cheio. Dá gosto de ver!

O dia foi de corridas classificatórias. Os melhores brasileiros foram, mais uma vez, Pepê Bueno e Ramyller Alves, que correm nas categorias que se equivalem à MX2 no Brasil.

A programação de sexta-feira prevê mais corridas classificatórias e as primeiras finais do motocross. O esquema, tanto no supercross quanto no motocross do Mini Os, é o seguinte: os pilotos de cada categoria têm direito a um treino, depois uma corrida classificatória (se não passa, vai para a repescagem) e a corrida final.

 

Resultados dos brasileiros
>>> Rafael Becker
>>> Pepê Bueno
>>> Ramyller Alves
>>> Danilo Pinheiro
>>> Gabe Gutierres

 

Fotos

frye_minios
Frye, piloto da Red Bull KTM que deve aparecer no AMA MX 2015 – Foto: Mau Haas / BRMX

 

forkner214_minios
Austin Forkner, piloto Kawasaki, dominando a categoria 250 B – Foto: Mau Haas / BRMX

 

hannahodges_minios
Hannah Hodges, atleta sensação entre as meninas (corre também na Super Mini com os meninos) – Foto: Mau Haas / BRMX

 

rafadeegan_minios
Rafael Becker aproveitou o dia para tirar uma foto com Brian Deegan (famoso piloto de FMX e rally cross) e seu filho, que é adversário do brasileiro na categoria das 50cc – Foto: Mau Haas / BRMX