Mariana Balbi viaja à Europa para correr Mundial de Motocross 2014

mariana balbi
Piloto participa pela primeira vez do Mundial Feminino – Foto: Mau Haas / BRMX

 

Pela primeira vez na história uma brasileira vai correr o Mundial de Motocross Feminino. Mariana Balbi, mineira de 27 anos, é presença confirmada na quinta e penúltima etapa da temporada 2014, que será realizada nos dias 21 e 22 de junho, em Teutschenthal, na Alemanha.

– Já tive boas oportunidades, como correr o WMA, nos Estados Unidos, considerado um dos mais importantes eventos para mulheres. Porém, sempre sonhei em andar na Europa, local de pistas diferentes, com mais buracos e canaletas, mais lentas que nos Estados Unidos – afirma.

Mari iniciou sua viagem na noite de quarta-feira, 10. Antes conversou com o BRMX por telefone e contou que também vai para acompanhar a décima etapa do Mundial de Motocross, na Itália, neste fim de semana, 14 e 15 – na pista de Maggiora. De lá, segue para a França, onde realizará testes para o acerto da motocicleta com a Bud Racing Kawasaki, equipe que lhe dará suporte local. A Bud Racing é também a equipe da atual segunda colocada na classificação, a australiana Meghan Kat Rutledge, com quem Mariana já alinhou no gate do WMA.

– A oportunidade surgiu durante o GP Brasil, quando os amigos do Jorginho (o irmão piloto, Jorge Balbi Junior) me falaram da ideia de correr o Mundial. Eu disse que adoraria, e então se começou a pensar no assunto – explica Mariana, que não quis criar uma expectativa de resultado, mas falou que um TOP 5 a deixaria “muito feliz”.

O palco da disputa é o mesmo em que aconteceu o Motocross das Nações no ano passado. Um traçado de chão duro, com muitas subidas e descidas, que agrada bastante a brasileira. Mariana já correu duas vezes no mundial entre os homens, e carrega a marca de ser a primeira mulher na história a se classificar para uma final no masculino.

 

Balbi Junior viaja junto

balbi junior
Piloto será auxiliar da irmã no Mundial – Foto: Mau Haas / BRMX

 

O irmão da piloto, Balbi Junior, viaja junto com a atleta para a Europa. Atual terceiro colocado no Brasileiro de Motocross, o mineiro garante que vai apenas para ajudar Mariana e para fazer alguns treinos em pistas diferentes.

– Sou amigo do italiano Davide Guarneri, e ele conseguiu uma moto para eu fazer alguns treinos na Europa. Não vou correr o Mundial porque não gosto de fazer as coisas na correria. Com a experiência a gente fica também um pouco mais chato, se não estiver tudo certo, é melhor não correr. Fazer uma prova de Mundial exige uma preparação detalhada. Não seria prudente chegar e fazer a corrida assim. Prefiro só treinar e me poupar para o Brasileiro – explica.