Ken Roczen, Marvin Musquin, Justin Barcia, Blake Baggett e Ryan Dungey falam sobre as expetativas para o Motocross das Nações 2012


Blake Baggett, campeão americano na 250cc, representa os EUA pela segunda vez – Foto: Frank Hoppen / Feld Motorsports

O principal assunto do mês de setembro no mundo do motocross é, sem dúvida, o MX das Nações, que acontece em Lommel, Bélgica, nos dias 29 e 30 deste mês.

A Youthstream, organizadora da competição ao lado da FIM – Federação Internacional de Motociclismo – divulgou um vídeo na quinta-feira, 13, mostrando as expectativas dos pilotos que competem nos Estados Unidos e que estarão presentes no MXoN.

Ken Roczen pela Alemanha, Marvin Musquin pela França, e Blake Baggett, Justin Barcia e Ryan Dungey, atletas estadunidenses, deram seus depoimentos sobre o maior torneio do motocross mundial.

– É sempre um prazer estar no MXoN por seu país. Lá você não pilota somente por si, mas por um time. E este ano vai ser diferente, na areia pesada – diz Ken Roczen, que vai representar a Alemanha pela terceira vez, agora ao lado de Max Nagl e Marcus Schiffer.

– Acho que a Alemanha tem boas chances. Marcus Schiffer é melhor na areia que no chão duro, e Max Nagl está muito veloz – comenta.

Marvin Musquin vai pela quarta vez representar a França. O time ainda conta com Gautier Paulin e Xavier Boog, formando o mesmo selecionado de 2010, quando o MXoN aconteceu nos Estados Unidos.

– Eu gosto de andar na areia, acredito que me dou bem neste tipo de terreno. E o MXoN é especial, uma corrida, por seu país, com parceiros no time lhe ajudando, muito público. Todo ano é muito especial – conta Musquin.

O selecionado norte-americano conta com a experiência de Ryan Dungey, que compete no Nações pela terceira vez, tendo vencido as duas anteriores.

– Barcia já mostrou que é um bom piloto de 450 e Baggett já mostrou muita velocidade. Ambos são muito bons na areia – atesta o “Capitão América”.

Baggett lembra do orgulho americano em representar o país.

– Todo americano quer estar em um time dos Estados Unidos, representando seu país. E MXoN é uma loucura. Novas roupas, tratamento diferenciado, muito público, vários países, várias línguas, é até difícil explicar. Tem que ir lá para saber! – exclama.

E Justin Barcia comenta como será competir em uma das pistas mais difíceis do mundo.

– Vamos à Bélgica uma semana antes, se acostumar com a pista, fazer alguns testes, nos divertir. Acho que meu estilo de pilotagem de moto 450cc, na areia, funciona bem.

Em outra oportunidade, o italiano Antonio Cairoli e o holandês Jeffrey Herlings, recentemente coroados campeões mundiais 2012, também falaram sobre o assunto:

– Tenho sido inconsistente no MXoN, mas espero que em Lommel eu possa ir bem nas duas baterias. A Itália tem poucas chances de fazer o pódio, mas se a gente ficar no Top 5 acredito que seja um bom resultado – diz Cairoli.

– Adoraria correr contra Cairoli e Dungey. Espero fazer algo especial para o Motocross das Nações. Não quero parecer tão confiante, mas sei que tenho bom desempenho na areia. Penso que Lommel seja ainda mais difícil que Lierop, porque em Lommel os buracos são ainda maiores. Quero vencer o overall individual – afirma Herlings.

O BRMX estará em Lommel para a cobertura in loco do evento. Acompanhe todos os detalhes!

* Texto atualizado às 16h deste domingo, 16 de setembro


:: Veja o vídeo da Youthstream na íntegra