Honda World Motocross Team mostra como é logística para trazer uma equipe da Europa até a América para disputa de dois GPs em sequência


Caixas carregam motos desmontadas, motores, ferramentas e outros utensílios – Fotos: Divulgação Honda World Motocross

Com as duas etapas do Mundial de Motocross na América, as equipes, em sua maioria européias, enfrentam um desafio extra: deslocar toda estrutura através do Oceano Atlântico.

Viajar com motos e equipamentos dentro de grandes caixas requer um estudo logístico apurado, como divulgou a equipe Honda nesta terça-feira, 15, momento em que a maioria dos times se deslocava do México, onde aconteceu a quarta rodada do Mundial, para o Brasil, onde no próximo fim de semana, 19 e 20, rola o quinto GP do ano.

No caso da Honda World Motocross Team são duas caixas com tudo que uma equipe de motocross precisa em um Grande Prêmio. Duas Honda CRF 450R de fábrica por piloto – Evgeny Bobryshev e Rui Gonçalves –, ferramentas, motores sobressalentes, rodas e outros equipamentos que chegam a somar uma tonelada.

Dois dias depois da rodada de Fermo, na Itália, as caixas saíram rumo a América. A viagem de navio da Itália para o México durou nove dias. O equipamento chegou a Guadalajara apenas na quinta-feira que antecedeu o GP mexicano.

>>> Saiba tudo o que você precisa saber para ir ao GP Brasil no Beto Carrero

Além disso, conta o texto, outras coisas são importantes de se organizar. A equipe chegou na quarta-feira depois de um logo voo vindo da Europa. Na quinta-feira as motos foram montadas, assim como os boxes com todos os itens necessários: água, compressor, energia, bebidas, gelo e piscinas para os pilotos se regenerarem após as corridas, principalmente por causa do intenso calor mexicano.

Também é necessário providenciar utensílios que não se pode trazer da Europa, como solventes para limpezas, óleo e outros produtos. Os pneus ficam por conta da Dunlop, que patrocina o time e providencia todo esse material.

– É muito legal atravessar o oceano e visitar outros países. Não é fácil porque temos uma logística grande, incluindo carros, hotéis, passagens aéreas de diferentes lugares e para diferentes lugares para todos os membros da equipe. A passagem do México para o Brasil foi complicado de organizar também, o que demonstra o grande trabalho de Laura – afirma Lorenzo Resta, chefe de equipe da Honda World Motocross em referência a coordenadora de logística do time.

No domingo, 13, logo depois da bandeirada final no México, as duas caixas partiram para o Brasil, mas chegam ao Parque Beto Carrero apenas na quinta-feira, 17, o que significa que todos os ajustes terão que ser feitos muito rapidamente.

O relato também revela que a equipe sente a tocada, o fuso-horário, as viagens longas.

“É muito difícil para os membros da equipe, porque além do deslocamento o trabalho vai ficando mais duro do que o normal. Mas o time tem a oportunidade de viajar junto, comer juntos, ficar no mesmo hotel, o que traz união e mantém a moral elevada. Também é uma chance para provar a culinária local, o que torna a viagem mais interessante. Muitos da equipe foram visitar pirâmedes na segunda-feira, por exemplo”.

Para os pilotos, a viagem é ainda mais dura. Avião, ar condicionado, fuso horário, altitudes e temperaturas diferentes, tudo isso tira a rotina de treinos que estão acostumados, mas faz das corridas ainda mais disputadas e tornam o campeonato ainda mais especial.

Leia também:
>>> Brasileiros visam disputa interna e ganho de experiência no GP Brasil

>>> Cairoli e Herlings vencem GP do México e vêm como favoritos ao Brasil