GP da Suécia 2012 acontece neste domingo, 1º de julho, para relembrar grandes nomes da história do Mundial de Motocross

Yamaha


Hakan Carlqvist está na história da Suécia por ganhar os mundiais de 79 e 83 – Foto: Youthstream Divulgação

É difícil imaginar que um sueco estará no pódio da nona rodada do Mundial de Motocross 2012, que acontece no circuito de Uddevalla neste fim de semana, dias 30 de junho e 1º de julho.

Mas cada vez que se fala em corrida de motocross naquele pequeno país da Europa Setentrional, grandes nomes do esporte voltam às rodas de conversa. E dar valor à história ajuda na evolução.
 
Se você ainda não ouviu falar de nomes como Torsten Hallman, Bengt Aberg, Hakan Carlqvist, Sten Lundin, Rolf Tibblin, Hakan Andersson e Marcus Hansson, preste atenção nas linhas que seguem. O levantamento de dados é da Youthstream, organizadora do Mundial de Motocross FIM.

O maior de todos os suecos no motocross foi Torsten Hallman, que ganhou quatro títulos mundiais FIM e venceu 37 Grandes Prêmios. Ele também foi um dos primeiros pilotos europeus a ir para os Estados Unidots competir, e vencer, nas décadas de 60 e 70. Após parar de competir, fundou a marca Thor MX. T.H.O.R. são as iniciais de Torsten Hallman Original Racewear.

Sten Lundin e Rolf Tibblin fizeram sua própria história ao vencer o Mundial de Motocross na classe das 500cc em 1959, 1962 e 1962. Cada um deles alcançou 22 vitórias em GPs.

Bengt Aberg, a bordo de uma Husqvarna, venceu dois campeonatos mundiais de 500cc, em 1969 e 1970. Assim como Hallman, ele viajou o mundo divulgando o motocross. Ganhou 12 GPs no total.

Em 1973, Hakan Andersson “chocou o mundo” ao vencer o Mundial de 250cc. Ele foi apenas o quarto em dez anos a ganhar na categoria – Joel e Robert Hallman ganharam todos os títulos de 250cc de 1962 até 1972, com uma pausa para a vitória do russo Victor Arbekov, em 1965. Andersson ganhou nove GPs em toda sua carreira.

Depois de Andersson, Hakan Carlqvist ganhou o Mundial de Motocross FIM na 250cc em 1979, e na classe de 500cc em 1983. Carlqvist venceu 20 GPs no total.

O único outro piloto sueco a ganhar um Mundial de Motocross foi Marcus Hansson, em 1994, um ano que todos esperavam a vitória do belga Joel Smets. Hansson somou cinco vitórias em Grandes Prêmios.

Desde 1994, nenhum outro grande nome sueco apareceu no Mundial de Motocross. Neste ano, estão listados sete atletas suecos na MX1 e quatro na MX2. Tom Söderström, Rasmus Sjöberg, Kim Lindstrom, Niclas Gustavsson, Tom Johnsson, Rikard Hansson e Filip Thuresson estão na MX1. Eddie Hjortmarker, Oscar Olsson, Viktor Björklund e Pontus Jönsson representam o país na MX2. As chances deles são mínimas.

O italiano Antonio Cairoli, pentacampeão mundial, lidera a categoria MX1. Jeffrey Herlings, da Holanda, comanda a MX2. Você pode assistir as corridas aqui no BRMX, que retransmite a MX-Live.TV. Fique ligado!

Classificação do campeonato

MX1
1) Antonio Cairoli (ITA) – 345 pontos
2) Clement Desalle (BEL) – 298 pontos
3) Christophe Pourcel (FRA) – 292 pontos
4) Gautier Paulin (FRA) – 289 pontos
5) Ken de Dycker (BEL) – 237 pontos

MX2
1) Jeffrey Herlings (HOL) – 364 pontos
2) Tommy Searle (GBR) – 340 pontos
3) Jeremy van Horebeek (BEL) – 308 pontos
4) Joel Roelants (BEL) – 238 pontos
5) Jordi Tixier (FRA) – 217 pontos

:: Assista trechos do GP da Suécia de 1962

Relembre 2011:
>>> Steven Frossard e Ken Roczen vencem GP da Suécia

Yamaha