FISIO – Liberação miofascial

Coluna da fisioterapeuta, Roberta Bueno, especialista em Fisioterapia Esportiva (Recovery, registrada no Crefito 45972) e também mãe do piloto Pepê Bueno. Com vasta experiência no trabalho de recuperação seja de pilotos profissionais ou amadores e entende que as lesões fazem parte da vida de quem pratica esportes. Abaixo, entenda como se aplica a liberação miofascial.

* texto: Roberta Bueno
Instagram: @robbuenoo
WhatsApp: 41 9907-0302

A liberação miofascial é um procedimento de relaxamento que envolve a manipulação dos tecidos musculares e conjuntivo fáscia, que fica em volta dos músculos. Ela tem sido cada vez mais utilizada por praticantes de atividades físicas para melhorar o rendimento nos exercícios e a recuperação pós-treino.

A liberação diminui a tensão na fáscia e dá fim aos sintomas, além de melhorar a flexibilidade, a mobilidade articular, a circulação sanguínea e o rendimento nas atividades físicas.

O tratamento consiste em manobras lentas e contínuas que aplicam pressão em certos pontos do corpo, que podem ser feitas com rolos de espuma, bastões, bolinhas de tênis e até com as mãos nesse caso, por um profissional capacitado.

Indicações – A técnica é indicada para pessoas de todas as idades e estilos de vida, não só atletas, já que a movimentação do cotidiano pode trazer desequilíbrios para o sistema miofascial. Crises de ansiedade, falta de concentração, enxaqueca, estresse, insônia, irritabilidade, dentre outros podem ocasionar alguns distúrbios e prejudicando assim o seu desempenho.

No motocross ou modalidades relacionados às 2 rodas por exemplo, a mente do atleta é conectada diretamente com o corpo e quando há um desequilíbrio nesta conexão o rendimento é seriamente afetado. A técnica também pode ser aplicada pelo próprio indivíduo, na forma de automassagem, mas o ideal é que um profissional seja consultado para analisar o caso.

Contra indicações – Apenas quem toma medicamentos anticoagulantes, tem problema vascular, está com feridas, hematomas, infecções, febre e fraturas, além das grávidas no primeiro trimestre devem pedir o aval do seu médico ou fisioterapeuta antes de fazer uso da técnica. Também é necessário um cuidado especial em casos de processos inflamatórios agudos.

Aplicação – Basicamente, você pressiona o acessório (rolo, bolinha de tênis, os dedos) contra a parte do corpo que encontra-se limitada ou dolorida. E fique sabendo que isso vai doer um pouquinho (mentira, ao encontrar um ponto de grande tensão, pode doer muito). Mas posso garantir que a sensação de alívio e os ganhos obtidos que vem depois do “sofrimento” compensam.

Eu particularmente uso e abuso desta técnica, tanto antes quanto depois dos treinos e competições. E posso garantir que o resultado é imensamente satisfatório.