Equipe Honda Racing de Rally parte para a disputa da 29ª edição do Sertões

Em busca do décimo título das motos, esquadrão vermelho reforça segurança com uso de colete air bag na prova 100% no Nordeste, válida pelos Campeonatos Mundial e Brasileiro de Rally Cross Country

Dona de nove títulos e maior vencedora entre as motos, a equipe Honda Racing de Rally começa nesta semana a jornada da 29ª edição do Sertões. Os pilotos Jean Azevedo, Gregorio Caselani, Bissinho Zavatti, Thiago Veloso e Tiago Wernersbach, sob o comando do chefe Dário Júlio, vão representar o time vermelho no desafio. A principal novidade com relação à segurança será o uso do colete air bag. De 13 a 22 de agosto, a tradicional prova off-road terá largada na Praia da Pipa, em Tibau do Sul (RN), e chegada na Praia dos Carneiros, na cidade de Tamandaré (PE).

O roteiro tem passagem por sete estados do Nordeste: Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará, Piauí, Bahia, Alagoas e Pernambuco. Ao todo, serão percorridos 3.548 quilômetros, sendo 2.180 de especiais (trechos cronometrados). Além do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, a disputa deste ano será válida pelo Campeonato Mundial de Rally Cross Country.

Com isso, uma novidade e exigência que passa a ser adotada por toda a equipe Honda Racing é o uso do colete air bag. “Pelo regulamento da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), o equipamento de segurança é obrigatório para quem vai participar do Mundial, que é o caso do Jean Azevedo e Gregorio Caselani, ambos da categoria Moto1, e Bissinho Zavatti, da Moto 2. Os três vão acelerar a moto CRF 450RX. Porém, todo o time Honda usará o colete, incluindo os representantes da categoria Brasil, Thiago Veloso e Tiago Wernersbach, com a CRF 250F”, explica o chefe da equipe, Dário Júlio.

Para esta edição, a CRF 450RX que será utilizada é o novo modelo 2021. “É uma moto mais potente, mais fina, com chassi diferente, que além de deixá-la mais bonita facilita para o rali, modalidade que carrega diversos equipamentos. Por ela ser menor, facilita a pilotagem. Todos da equipe estão felizes com o trabalho de preparação”, destaca Dário Júlio, que desde 2013 comanda o time.

Sete vezes campeão do Sertões na geral das motos, Jean Azevedo ressalta que será um rali diferente. “Pela primeira vez, a prova será realizada toda na região Nordeste. Serão dias mais curtos, porém mais intensos. As especiais serão mais técnicas, o que vai exigir mais dos equipamentos e dos pilotos. Estou bastante animado em busca do meu oitavo título na geral das motos e muito contente com a nova CRF 450RX. Sobre o colete air bag, é uma novidade que foi lançada no último Dakar. A Honda sempre preza bastante pela segurança dos pilotos”, evidencia o piloto de 47 anos, natural de São José dos Campos (SP).

Dono do título da geral das motos em 2016, Gregorio Caselani, que não disputou a última edição devido a uma lesão, está animado para o retorno à competição. “A expectativa é boa. Venho de bons treinos e estou afiado. É a principal prova do nosso calendário. Teremos uma edição mais longa, com dias curtos, mas que precisará de muita cabeça para vencer. Será uma prova rápida e de ataque o tempo inteiro”, espera o gaúcho de Caxias do Sul (RS), de 35 anos.

Atual campeão do Sertões na categoria Moto 2, Bissinho Zavatti se preparou bastante para essa disputa. “Vai ser uma prova dura, com bastante navegação e trecho travado. A etapa de Xique Xique (BA) promete ser uma das mais difíceis por causa das areias mais duras que vamos passar. Estou bem focado e em busca do melhor resultado. É o meu nono ano como piloto no Sertões e a cada edição eu vivo um novo sonho, ainda mais neste ano que será válido pelo Mundial”, comenta o paulista de 36 anos, de Monte Alto.

Quem também chega ao Sertões 2021 defendendo título, só que da classe Brasil, é Thiago Veloso. Aos 37 anos, o mineiro de Três Pontas encara a sua segunda edição. “Ano passado fui pela primeira vez e foi tudo novidade. Neste ano será diferente, estou bem preparado para aguentar esses nove dias. A moto está perfeita. Fizemos os últimos testes na semana passada. Vou em busca do bicampeonato, só que agora temos uma disputa interna bem boa”, alerta Veloso.

Ele se refere ao novo integrante do time: Tiago Wernersbach. Aos 26 anos, o capixaba de Domingos Martins (ES) chegou à equipe Honda Racing neste ano e já tem se destacado nas provas da modalidade. Venceu o Rally Jalapão e o Rally RN 1500, válidos pelo Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, na categoria Brasil, com a CRF 250F. “As preparações para o meu primeiro Sertões foram bem fortes, principalmente a parte física. Senti bastante nas primeiras provas que participei. Treinei bastante de moto, estou preparado e confiante. Vou tranquilo e com calma, porque vi que andei bem nas duas primeiras provas da temporada”, diz o tricampeão brasileiro de Enduro na classe E4, destinada às motos de fabricação nacional.

A equipe Honda Racing de Rally é patrocinada por Pro Honda, Alpinestars, ASW, DID, Michelin e Seguros Honda.

Confira o roteiro completo do Sertões 2021*:

13/08/2021 – sexta-feira – Prólogo – 11 km
Praia da Pipa – Tibau do Sul (RN)

O Prólogo, disputa que define a ordem de largada do primeiro dia, vai simular uma situação real de prova. Em um percurso de 11 km, os pilotos conseguirão acelerar e os mais rápidos vão largar na frente.

14/08/2021 – sábado
1ª etapa – Praia da Pipa – Tibau do Sul (RN) a Patos (PB)

Deslocamento inicial: 82 km
Trecho especial: 235 km
Deslocamento final: 93 km
Total: 410 km

O Sertões 2021 terá início com o competidor se aclimatando à prova para chegar ao ápice lá no meio. A especial começa mostrando a cara do rally em 2021. No primeiro dia, não haverá areia, mas uma região montanhosa, muito bonita e inédita. O dia contará com média e alta velocidades, uma parte mais travada, exigindo navegação. Depois, o ritmo mais rápido ditará a disputa e no último terço, um pouco de trial e quebradeira.

15/08/2021 – domingo
2ª etapa – Patos (PB) a Araripina (PE)

Deslocamento inicial: 27 km
Trecho especial: 245 km
Deslocamento final: 237 km
Total: 509 km

A segunda etapa será uma especial muito boa e dura, com predomínio de piçarra e estradas de fazenda. Não deve ter lama. Será uma etapa de ligação, que levará para o sertão mais a oeste, com pequenas estradas estreitas.

16/08/2021 – segunda-feira
3ª etapa – Araripina (PE) a São Raimundo Nonato (PI)

Deslocamento inicial: 146 km
Trecho especial: 220 km
Deslocamento final: 38 km
Total: 404 km

O terceiro dia promete uma etapa prazerosa, com muitos trechos rápidos. Começa em pequenas estradas e depois segue para estradas mais largas, com um pouco de retas e boas condições de pilotagem. O deslocamento inicial será muito bonito, com passagem por parques eólicos, subidas e descidas de serra até chegar no início da especial, em um vilarejo. O trecho cronometrado será travado, com travessia de ponte de 800 metros de comprimento e passagem por fazenda. Na sequência, entra em uma parte mais rápida, volta para uma região montanhosa, até chegar à parte final, que é bem rápida.

17/08/2021 – terça-feira
4ª etapa – São Raimundo Nonato (PI) a São Raimundo Nonato (PI)

Deslocamento inicial: 0 km
Trecho especial: 306 km
Deslocamento final: 5 km
Total: 311 km

A quarta etapa será em laço, com largada e chegada em São Raimundo Nonato (PI). A prova será prazerosa, em um lugar com visual magnífico. A especial é 100% inédita, em torno da Serra da Capivara, em trilhas que nunca foram usadas, com muita pedra e rocha. O começo será em trial, com os primeiros 20 quilômetros duríssimos. Depois, o trecho fica travado e volta a ser rápido. A última parte é uma serra e, por fim, a prova fica mais rápida.

18/08/2021 – quarta-feira
5ª etapa – São Raimundo Nonato (PI) a Xique Xique (BA) – Maratona

Deslocamento inicial: 11 km
Trecho especial: 329 km
Deslocamento final: 93 km
Total: 433 km

A primeira parte da maratona, embora em uma região já conhecida, será a melhor e ao mesmo tempo mais dura especial do ano do rally. A organização preparou o inédito trecho de 220 quilômetros ininterruptos de areia, além de passagem por todos os brejos (vilas) da região. Haverá travessia de balsa e os pilotos seguirão agrupados. O Sertões passou na região em 2012. Os apoios seguem direto para Petrolina (PE).

19/08/2021 – quinta-feira
6ª etapa – Xique Xique (BA) a Petrolina (PE) – Maratona

Deslocamento inicial: 0 km
Trecho especial: 310 km
Deslocamento final: 146 km
Total: 456 km

Para a segunda parte da maratona, o rally terá uma especial dura, com muita navegação e piçarra. Haverá pouca areia nesse dia, mas a técnica, concentração e equipamento serão essenciais. Todo o cuidado e atenção é pouco em mais uma especial inédita.

20/08/2021 – sexta-feira
7ª etapa – Petrolina (PE) a Delmiro Gouveia (AL) 

Deslocamento inicial: 133 km
Trecho especial: 242 km
Deslocamento final: 60 km
Total: 435 km

A sétima etapa terá uma especial mais completa, em local inédito para os participantes. Eles vão andar às margens do Rio São Francisco e o dia será dividido em três partes. A primeira, com trecho bem técnico em um terreno duro e apertado em estradas pequenas e passagem por rios que vão estar secos. A segunda parte vai andar em um local mais rápido e estrada de piçarra. Já a terceira parte entra em um trecho de areia que fica mais duro. Será areia pesada até o final.

21/08/2021 – sábado
8ª etapa – Delmiro Gouveia (AL) a Arapiraca (AL)

Deslocamento inicial: 7 km
Trecho especial: 152 km
Deslocamento final: 80 km
Total: 235 km

A prova segue acompanhando o Rio São Francisco, com mais uma especial inédita, técnica e dura. Começa com trechos sinuosos, algumas passagens por vilas e zonas de radar. Os competidores vão andar em trechos do estado de Alagoas. O piso muda radicalmente de piçarra para areia, para alguns trechos de trial, com pedras grandes, e termina em estradinhas de fazenda mais rápidas.

22/08/2021 – domingo
9ª etapa – Arapiraca (AL) a Tamandaré (PE)

Deslocamento inicial: 190 km
Trecho especial: 141 km
Deslocamento final: 20 km
Total: 351 km

O último dia do Sertões 2021 foi pensado para todos no rally. Não só para os competidores, mas para toda a equipe que terá tempo de chegar à base final para comemorar o fim da disputa. Apesar de curto, o trecho exigirá navegação e muita atenção. Não terá areia, mas a especial apresenta piçarras, pedras e subidas e descidas de serras, além de um trecho de canavial. O visual promete ser bonito.

TOTAL DO PERCURSO: 3.548 km
TOTAL DE ESPECIAIS: 2.180 km

* O roteiro é fornecido pela organização do evento e está sujeito a alterações.