Enzo Lopes encerra participação no James Stewart Freestone Spring Championship 2014

Yamaha
Freestonevurbmoto
Enzo Lopes – Foto: Vurbmoto – Divulgação

 

Enzo Lopes encerrou neste sábado, 22, sua participação no James Stewart Freestone Spring Championship. Ainda sofrendo com uma gripe que já vinha incomodando o piloto brasileiro há semanas, o atleta conseguiu bons resultados.

Inscrito nas categorias Supermini 1 e Supermini 2 (112cc), na quarta-feira, 19, Enzo abandonou os treinos livres com falta de ar após dar três voltas na pista, e chegou a cancelar sua inscrição no campeonato. Na quinta-feira, 20, se sentindo melhor, a equipe refez as inscrições e o piloto retornou às pistas para as “heats” (classificatórias). Enzo foi o último a escolher o gate de largada, superou o mal-estar e obteve o sétimo lugar nas duas corridas (Supermini 1 e Supermini 2). As finais das duas categorias aconteceram na sexta e sábado, e o piloto terminou o campeonato em quinto lugar na categoria Supermini 2 (13 a 16 anos) e em sétimo lugar na categoria Supermini 1 (12 a 15 anos).

Uma turnê americana

Há um mês nos Estados Unidos, Enzo participou de diversos campeonatos. Na última semana de fevereiro, no Millcreek Spring Classic, no Alabama, além de disputar as Superminis, Enzo estreou na categoria Schoolboy 1, mesmo sem treinar com sua nova moto KTM 125cc que chegou em cima da hora. Sofrendo com as temperaturas muito baixas e debilitado pela gripe, terminou a competição em 15º lugar na categoria Schoolboy (125cc), em 13º lugar na Supermini 1 e em sexto na Supermini 2.

Depois correu o Ricky Carmichael Daytona Amateur Supercross. Enzo precisou disputar a repescagem da categoria Schoolboy 1 devido a uma queda na classificatória, por isso foi o último a escolher o gate de largada. Além disso, suas baterias foram as últimas do dia na programação, com a pista já bastante castigada e com pouca visibilidade devido ao horário. Mesmo assim, obteve sétimo e 13º lugares, respectivamente, nas categorias Supermini e Schoolboy 1.

Tentando se recuperar fisicamente, Enzo rodou mais de 2.000 quilômetros de estrada até o Texas para disputar o terceiro campeonato da turnê (Oakhill). Lá, Enzo conseguiu fazer boas largadas e alguns holeshots, e mesmo com algumas quedas o piloto foi consistente nos resultados das categorias que disputou: sexto lugar na Supermini 1, oitavo lugar na Supermini 2 e nono lugar na Schoolboy 1. O piloto ainda se aventurou a correr pela primeira vez na categoria 125 dois tempos, obtendo o 19º lugar entre pilotos mais velhos.

Leo Lopes, pai do piloto, avalia a performance de Enzo nos campeonatos americanos disputados no último mês:

– Mesmo com as dificuldades que enfrentou com uma gripe que lhe tirou as energias, o Enzo competiu com os melhores pilotos do mundo nas últimas quatro semanas e se manteve nos top 10 e até top 5. Não podemos esquecer que ele poderia estar andando nas categorias de roda menor, como as Mini Sr, onde ele estaria andando na frente e conquistando títulos, mas aí no ano que vem começaríamos do zero. Este ano é de plantio, ano que vem é de colheita – diz.

Enzo Lopes e sua equipe desembarcam no Brasil na próxima semana. O piloto pretende se recuperar fisicamente e retomar os treinamentos para disputar a etapa de abertura do Brasileiro de Motocross, em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, nos dias 12 e 13 de abril. No Brasileiro, o piloto disputará as categorias Júnior e MX2.

 

:: Bom saber

– Na verdade, nas categorias para pilotos de até 16 anos (Supermini 2 e Schoolboy 1) podem competir pilotos mais velhos. Segundo o regulamento da AMA (Associação Americana de Motociclistas), a idade máxima permitida nessas categorias é de 16 anos em 1o de janeiro do ano da competição, ou seja, o piloto que completou 17 anos depois do dia 10 pode competir com pilotos que têm no mínimo 12 anos de idade. Isso faz uma boa diferença na pista, pois a maioria dos pilotos já estão no seu segundo, terceiro ou último ano na categoria.

– A Kawasaki é muito forte nas categorias Superminis no amador americano, que é considerada a vitrine de novos talentos. Pelo fato de não produzirem mais a moto KX 125cc, como a Yamaha e a KTM ainda o fazem, a equipe Kawasaki segura seus pilotos o maior tempo possível na categoria Supermini, principalmente os seus melhores pilotos, como por exemplo o piloto Austin Forkner, bicampeão da categoria Supermini da Monster Energy Cup.

Quando alcançam a idade máxima permitida na Supermini, eles passam direto para as motos 250cc quatro tempos, muitas vezes sem disputar as categorias Schoolboy, que seriam as próximas. Alguns até chegam a disputar as Schoolboy, mas com motos de 85cc transformadas em 112cc, tal como fez o piloto Adam Cianciarulo, que hoje compete no AMA Supercross nas 250. Essa é a única categoria em que acontece isso no motocross amador: as fábricas adiantam a entrada e retardam a saída de seus pilotos, por isso vemos pilotos que já estão há três ou quatro anos nas Superminis, competindo com novatos.

– Essa foi a primeira vez que o piloto Enzo Lopes competiu no James Stewart Freestone Spring Championship.  A competição, que já está em sua quarta edição, entrou para o rol dos maiores campeonatos amadores dos EUA, elevando-se ao nível do Mini O’s e do Loretta Lynn, devido ao número recorde de inscritos (mais de 50 pilotos em algumas categorias), e também em termos de organização, que tem se mostrado impecável.

Yamaha