Entrevista: Jeremy Van Horebeek no Mundial de Motocross 2014, em Trindade, Goiás

Yamaha
horebeek_mauhaas
Jeremy van Horebeek, vice-líder da MXGP – Foto: Mau Haas / BRMX

 

À vontade em seu box, o belga Jeremy Van Horebeek atendeu ao BRMX nesta sexta-feira, 5, para uma conversa de 5min no paddock do de Mundial de Motocross, que acontece em Trindade, Goiás.

Simpático e com uma cicatriz ainda rosada no supercílio por causa da cabeçada que deu no guidão de sua Yamaha em Lommel, no 15º GP da temporada, o belga falou sobre o ano, elegeu as brasileiras como as mais belas do mundo, falou da possível transferência de Villopoto para o Mundial, e disse que espera ganhar o campeonato em 2015.

Confira!

 

BRMX: Antes de tudo, gostaria que você fizesse um balanço da temporada.
Horebeek: Tem sido um grande ano. Trabalhamos muito, porque era uma nova moto, uma nova equipe, pessoas diferente, trabalhamos duro na moto, ainda estamos evoluindo. Comecei bem no Catar com 5-5 nas baterias e depois me mantive no pódio em cada etapa e finalmente, em Loket, ganhei o GP. Estou em segundo e devo ser vice-campeão. Foi uma grande temporada.

BRMX: Quando você acha alcançará o título de campeão mundial?
Horebeek: Acho que no próximo ano eu vou brigar pelo título. Acho possível ganhar o campeonato no próximo ano. Ainda tenho que aprender um pouco mais e trabalhar um pouco mais pesado, mas acho que tenho condições.

BRMX: Você já está acertado para ficar na Yamaha, certo?
Horebeek: Sim. Fiz um contrato de dois anos no ano passado e ainda tenho possibilidade de renovação para 2016.

BRMX: O que esperar da Bélgica e do seu próprio desempenho no Motocross das Nações deste ano?
Horebeek: Quero ir lá e vencer. Estarei competindo com os mesmos caras que corro o ano todo, mais Ryan Dungey. E acho que posso vencer. Porém, antes de tudo gostaria de vencer como um time. Não temos mais o “time dos sonhos” porque Clement (Desalle) está machucado. Mas se Julien Lieber fizer uma bateria boa, e eu e Kevin (Strijboos) dermos nosso melhor, podemos vencer o Nações.

 

horebeek_yamaha
Horebeek comemora vitória no GP de Loket – Foto: Yamaha Racing

 

BRMX: Todo mundo está falando da ida de Ryan Villopoto para o Mundial de Motocross. O que você pensa sobre isso?
Horebeek: Não sei se ele realmente virá, mas se vier será muito bom para nosso esporte. Seria muito bom ter outro candidato a título na nossa categoria, tornaria as corridas mais interessantes, mas não tenho certeza se ele ganharia tudo. Acho que ele teria dificuldades porque nossas pistas são diferentes das pistas americanas. Ele é um dos caras mais rápidos do mundo, sabe pilotar uma moto. Mas algumas pistas são diferentes. É como quando um de nós vai para a América, é diferente, é difícil. Mas seria legal se ele viesse.

BRMX: Você pensa em correr nos EUA?
Horebeek: Não. Eu não. Quero ficar na Europa, com minha família. Claro, talvez uma corrida, um dia, quem sabe. Não é uma coisa que realmente me interessa. Não tenho nenhum plano nesse sentido.

BRMX: Você gosta de correr no Brasil?
Horebeek: Gosto, mas esse calor é um pouco demais para mim. Mas as pessoas aqui são legal. E as mulheres também (risos). São as mulheres mais bonitas do mundo.

BRMX: E a pista, gostou?
Horebeek: É uma boa pista, bonita como a outra que corremos no Brasil (Penha, Santa Catarina). Tem muitos saltos, o terreno é bom, tem grip. É uma pista muito legal.

 

Programação do Mundial de Motocross

Sábado
11h – Treino livre MX2
11h30 – Treino livre MXGP
13h – Treino cronometrado MX2
13h35 – Treino cronometrado MXGP

15h10 – Corrida classificatória MX2
16h – Corrida classificatória MXGP

 

Domingo
10h20 – Warm-up MX2
10h50 – Warm-up MXGP

12h15 – 1ª bateria MX2
13h15 – 1º bateria MXGP

15h10 – 2ª bateria MX2
16h10 – 2ª bateria MXGP

Yamaha