Eduardo Lima lidera MX2, classe que tem revelado talentos no Brasileiro de Motocross 2012

Eduardo Lima – EMG Racing Kawasaki Rinaldi – reencontrará o Motódromo Arthur Jacowicz neste fim de semana, 28 e 29 de abril, com a tarefa de defender a liderança da classe MX2 no Brasileiro de Motocross 2012. Dudu venceu em Canelinha o Desafio Latinoamericano de Motocross disputado em outubro do ano passado, agora, quer repetir a façanha para se consolidar na ponta do campeonato.

– Gosto muito de correr em Canelinha, onde venci o Desafio Latinoamericano no ano passado, superando o Campano na MX2 – lembra Dudu.

O piloto somou 47 pontos com as duas baterias da abertura do Brasileiro de Motocross disputada em Carlos Barbosa, Rio Grande do Sul, no início de abril. Gui Lima, pai do piloto e chefe da equipe, fala que o formato do campeonato eleva o nível da competição. 

– A etapa composta por duas baterias longas faz com que prevaleça a técnica e o preparo físico do piloto no Brasileiro de Motocross – enfatiza.


Hector Assunção está na vice-liderança, quatro pontos atrás de Dudu Lima – Foto: Elton Souza / BRMX

Na segunda colocação, quatro ponto atrás do líder, Hector Assunção – Honda Mobil – avalia que o campeonato está bastante equilibrado e que garantir um lugar no pódio tem sido um grande desafio.

– Temos pelo menos cinco pilotos rápidos e de grande qualidade técnica correndo por um lugar no pódio. Isso é importante para nós, os mais novos, ganharmos destaque. Estou concentrado para entrar com um ritmo forte nas baterias e garantir um bom resultado – afirma.
 
Também na MX2, Thales Vilardi, companheiro de equipe de Assunção, realizou um trabalho focado nas partes técnica e física para garantir sua vaga no pelotão de frente. O paulista tem 26 pontos na classificação geral e ocupa a sétima posição. 

– Dediquei a última semana aos treinos físicos. Sábado e domingo aproveitei para treinar com a moto. Fiquei satisfeito com meu desempenho, pois consegui ganhar ritmo. Isso me deixou confiante para o próximo desafio, em Canelinha – diz o piloto que compete com a Honda CRF 250R.

Pilotos independentes, resultados expressivos

Anderson Amaral liderou as duas baterias da MX2 e terminou a etapa de estreia na quarta posição – Foto: Elton Souza / BRMX

Três pilotos que estão entre os cinco primeiros colocados da categoria 250cc se destacam pela pouca idade. Rafael Faria – Flying Racing Yamaha –, Anderson Amaral – Amaral Racing – e Everett Holcomb – LS Racing –, despontam na classificação. Em parte, a situação é resultado do novo regulamento que limita a idade na classe. 

O desempenho de um piloto em específico, entretanto, é resultado também, da superação para contornar a falta de patrocínio. Anderson Amaral, quarto colocado geral, divide a estrutura com o irmão Gustavo, e teve que comprar a moto modelo 2012 para competir.

– Neste ano, montamos nossa própria equipe, a Amaral Racing, e precisamos comprar nossa própria moto para correr. Temos só duas motos, uma 2012, que meu irmão usa nas corridas, e uma 2011, que ele usa para treino e eu uso nas provas – explica Gustavo Amaral, que optou pelos estudos da graduação no curso de Nutrição e se dedica ao motocross somente nos fins de semana.

Ambos estarão dividindo o gate neste fim de semana, buscando se manter entre os melhores pilotos na classificação da categoria MX2. 

Após a etapa de Carlos Barbosa, que abriu a temporada 2012, os líderes do Brasileiro de Motocross são: Carlos Campano, na MX1, Eduardo Lima, MX2, Milton “Chumbinho” Becker, na MX3, Gustavo Pessoa, 85cc, e Arthur Todeschini, na 65cc.

Leia também:
>>> Previsão de chuva e muita rivalidade em SC


BRMX Broadcast fará transmissão ao vivo e em áudio das provas de domingo, 29, com narração de Cale Neto e comentários de Keu Lerner. A programação começa com o BRMX Warm-up – debates e entrevistas – às 9h30, e se estende até a entrega da premiação, no fim do dia. 

Classificação:

MX2
1) Eduardo Lima – 47 pontos
2) Hector Assunção – 43 pontos 
3) Rafael Faria – 38 pontos 
4) Anderson Amaral – 36 pontos 
5) Everett Holcomb – 36 pontos

MX3
1) Milton “Chumbinho” Becker – 25 pontos
2) Nielsen Bueno – 22 pontos
3) Mariana Balbi – 20 pontos
4) Cristiano Lopes – 18 pontos
5) Eder Antoniazzi – 16 pontos

85cc
1) Gustavo Pessoa – 25 pontos
2) Fabio dos Santos – 22 pontos
3) Enzo Lopes – 20 pontos
4) Gustavo Alves Borges – 18 pontos
5) José Brayan Soares – 16 pontos

65cc
1) Arthur Todeschini – 25 pontos
2) Leonardo Cassarotti – 22 pontos
3) Renato Paz – 20 pontos
4) Guilherme Torres – 18 pontos
5) Felipe Migliorini – 16 pontos