Deserto de sal na Bolívia castiga piloto brasileiro no Dakar 2015

honda15dakarjean_victoreleuterio_07012015040734
Jean Azevedo – Foto: Victor Eleuterio/Fotop/VIPCOMM

 

Frio, chuva, etapa maratona sem apoio mecânico e um deserto de sal transformaram a vida de muitos pilotos do Rally Dakar nas categorias motos e quadriciclos em um martírio, no trajeto entre Uyuni (Bolívia) e Iquique (Chile), nesta segunda-feira (12). O dia foi longo, com 808 quilômetros no total, sendo 416 cronometrados. O brasileiro Jean Azevedo terminou o dia na 51ª posição e foi uma das vítimas do sal boliviano.

– Estava bem na etapa. Mas o radiador da minha moto começou a acumular muito sal. Misturado com água, ele fica sólido, duro e parece pedra. O radiador esquentou demais e explodiu. Saiu muito vapor. Como sou precavido, eu tinha Durepoxi para vedar a tampa. Tive que quebrar as pedras de sal com a chave de fenda. Caso contrário, eu estaria lá no meio do trecho até agora. Perdi mais de uma hora para resolver o problema – conta Jean, piloto da Honda South America Rally Team, que precisou reduzir o ritmo por precaução.

A etapa maratona foi considerada devastadora para muitos pilotos.

– Na noite passada, vários competidores chegaram a Uyuni com hipotermia, pois estávamos a quase 4.000 metros de altitude e fazia muito frio. Pela manhã, alguns não conseguiam ligar a moto devido à baixa temperatura. Sem contar a chuva, que deixou parte do trecho com barro. Até pensei que a organização pudesse cancelar a etapa – diz o brasileiro. A vitória do dia ficou com o chileno Pablo Quintanilla, que completou o trajeto em 2h56min19s.

O resultado desta segunda-feira pode criar mais problemas para Jean Azevedo na próxima etapa, entre Iquique e Calama, no Chile.

– Vou largar muito atrás e terei muitos competidores pela frente. Vai ser difícil fazer as ultrapassagens porque pegaremos muitos trechos de “fesh fesh”, uma espécie de talco que forma muita poeira – prevê.

Os participantes das motos do Rally Dakar continuam a 37ª edição da prova nesta terça-feira (13) com a nona etapa. A disputa no Chile, entre as cidades de Iquique e Calama, terá um trecho cronometrado de 450 quilômetros.

 

Resultados (extraoficiais) – 8ª etapa do Dakar – Motos
1º Pablo Quintanilla (CHL) #31 – 2h56min19s
2º Juan Pedrero Garcia (ESP) #10 +11s
3º Stefan Svitko (SVK) #18 +12s
4º Toby Price (AUS) #26 +41s
5º Laia Sanz (ESP) #29 +2min36s
51º Jean Azevedo (BRA) #24 +1h34min36s

.
Resultados (extraoficiais) – Classificação geral do Dakar após oito etapas – Motos
1º Marc Coma (ESP) #1 – 28h51min12s
2º Paulo Gonçalves (POR) #7 +9min11s
3º Pablo Quintanilla (CHL) #31 +11min11s
4º Toby Price (AUS) #26 +15min56s
5º Stefan Svitko (SVK) #18 +26min30s
29º Jean Azevedo (BRA) #24 +4h47min41s