Cairoli e Herlings vencem sétima etapa do Mundial de Motocross 2013, no Brasil

:: Melhores momentos do GP

 

Três provas movimentaram o domingo do GP Brasil do Mundial de Motocross 2013. Duas baterias individuais de cada categoria e a Superfinal, que reuniu os melhores pilotos da MX1 e da MX2 em uma corrida híbrida.

Os brasileiros Balbi Junior e Jean Ramos participaram da Superfinal pela categoria MX1, enquanto Thales Vilardi, Rodrigo Lama e Anderson Cidade correram pela MX2. Jean, Lama e Cidade precisaram da repescagem para se classificar. Balbi e Thales entraram por suas colocações nas baterias individuais.

O português Paulo Alberto e o inglês Adam Chatfield, que correm no Brasil, também se classificaram para a Superfinal por seus resultados nas baterias individuais. Já o português Joaquim Rodrigues e os brasileiros Caio Lopes, Wellington Garcia, Mateus Basso e Daniel Pessanha não alcançaram índice suficiente para entrar na corrida.

Leia abaixo a crônica das provas.

:: Importante
O próximo GP acontece na França, dia 8 de junho, na pista de Ernee.

 

:: Resumo da MX2

Jeffrey Herlings – Foto: Mau Haas / BRMX

 

O russo Alexander Tonkov fez o holeshot da primeira bateria do dia, seguido do holandês Glenn Coldenhoff, iniciando um duelo de aproximamente dez minutos pela liderança.

Jeffrey Herlings, o favorito, teve uma largada ruim, saindo no segundo pelotão, mas em 17 minutos de prova já era o terceiro colocado, tirando até dois segundos de diferença por volta.

Faltando sete minutos para a placa de duas voltas, Herlings ultrapassou Coldenhoff e assumiu a liderança para vencer sua 13ª bateria na temporada e manter os 100% de aproveitamento (que ele perderia mais tarde, na Superfinal).

O melhor brasileiro desta bateria foi Thales Vilardi, que terminou em 18º lugar, seguido de Anderson Cidade. Paulo Alberto, português que também corre no Brasil, teve melhor desempenho. Terminou em 15º e chegou a dar trabalho para Christophe Charlier, da equipe Monster Energy Yamaha, que largou nas últimas posições e terminou em 12º.

:: Resultado
1) Jeffrey Herlings
2) Glenn Coldenhoff
3) Jake Nicholls
4) Jordi Tixier
5) Mel Pocock
6) Jose Butron
7) Dean Ferris
8) Dylan Ferrandis
9) Alexander Tonkov
10) Alessandro Lupino
18) Thales Vilardi
19) Anderson Cidade
20) Rodrigo Lama
21) Caio Lopes
23) Hector Assunção


:: Ultrapassagem de Pocok em Tonkov

 

 

:: Resumo da MX1

Antonio Cairoli – Foto: Mau Haas / BRMX

 

Antonio Cairoli foi absoluto na primeira bateria da 450cc. Quem fez o holeshot foi David Philippaerts, mas Cairoli roubou a liderança do seu compatriota ainda nas primeiras curvas e nunca mais foi pressionado. As brigas ficaram para trás.

O alemão Max Nagl fez outra boa corrida após vencer a classificatória no sábado. Depois de largar em quinto neste domingo, ultrapassou Clement Desalle, Tommy Searle e David Philippaerts para ser segundo colocado. Desalle chegou a ameaçar a posição do alemão, mas sem êxito.

Quem teve prejuízo foi Gautier Paulin, vice-líder do campeonato. Após uma largada muito ruim, teve que fazer corrida de recuperação para terminar em quarto lugar.

Balbi Junior foi o melhor brasileiro da bateria. O mineiro terminou em 15º, à frente do britânico Adam Chatfield (que também corre no Brasil), do dinamarquês Lynggaard e do português Rui Gonçalves.

:: Resultado
1) Antonio Cairoli
2) Max Nagl
3) Clement Desalle
4) Gautier Paulin
5) Jeremy van Horebeek
6) Kevin Strijboos
7) David Philippaerts
8) Tommy Searle
9) Ken de Dycker
10) Joel Roelants
15) Balbi Junior
19) Jean Ramos
20) Mateus Basso
21) Daniel Pessanha

 

:: Resumo da Superfinal

Pódio das duas categorias, MX2 embaixo e MX1 em cima – Foto: Marco Dotto / BRMX

 

Antonio Cairoli venceu a Superfinal após Kevin Strijboos liderar quase toda corrida. O belga da Rockstar Energy Suzuki fez o holeshot e liderou até a placa de duas voltas para o fim, quando Cairoli encostou e tomou a liderança para vencer seu 58º GP da carreira. Na soma geral das baterias, o pódio se completou com Clement Desalle em segundo e Kevin Strijbos em terceiro.

Na coletiva de imprensa, Antonio Cairoli falou muito bem do GP Brasil, elogiando toda organização e a beleza do evento, mas fez ressalvas quanto a largura da pista, dizendo que para ficar perfeito \”a pista deveria ser mais larga, com mais pontos de ultrapassagem\”.

A esperança de ver Jeffrey Herlings brigar pelas primeiras posições foi por água abaixo nas primeiras curvas, quando o holandês caiu e teve que sair quase da última posição para fazer uma corrida de recuperação. Mesmo empurrado pelo público brasileiro, que \”adotou\” o jovem piloto, ele conseguiu chegar “apenas” na 13ª colocação.

O resultado de Herlings foi o segundo melhor entre os pilotos da MX2. O espanhol Jose Butron ficou em décimo e tirou os 100% de aproveitamento de Herlings no campeonato.

– Estou desapontado porque perdi os 100%, mas feliz pela conquista de Butron. Agora vou mudar meu objetivo tentando ganhar todos os GPs na soma das baterias – disse Herlings, que ganhou 13 das 14 baterias realizadas neste ano.

Na sequência da entrevista coletiva, Herlings criticou a bateria híbrida.

– Não é uma briga justa (450 contra a 250). Eles (pilotos da 450) têm cerca de 15 cavalos a mais. Não é nem seguro. Eles (organização) não deveriam fazer isso (juntar as categorias) – argumentou.

O pódio da etapa na categoria MX2 teve Jeffrey Herlings em primeiro (1-2), Jordi Tixier em segundo (4-3) e Jose Butron em terceiro (6-1).

Entre os pilotos que competem no Brasil, Adam Chatfield foi o melhor da Superfinal com a 22ª posição. O melhor brasileiro foi Thales Vilardi, que finalizou em 31º.

Balbi Junior caiu na largada em um acidente que envolveu mais pilotos e teve seu resultado prejudicado. Na queda, o disco de freio traseiro foi danificado. Jean Ramos teve um dia parecido, com problemas no freio teve que abandonar após andar muito tempo como “o melhor brasileiro” da Superfinal.

– Estou contente com o ritmo que atingi, andando ao lado de adversários rápidos. Observei o máximo dentro e fora da pista, aprendi muitas coisas que irei levar comigo. Meu foco é o brasileiro da modalidade e no próximo fim de semana já temos a segunda etapa da temporada, a expectativa é ótima – disse Balbi.

– Nós, pilotos brasileiros, nos aproximamos cada vez mais dos europeus, que estão à frente em tecnologia e técnica. Com as participações nos mundiais evolui bastante e já estou cinco segundos mais rápido em relação ao ano passado em provas como esta – afirmou Jean.

:: Resultado da Superfinal
1) Antonio Cairoli (MX1)
2) Kevin Strijbos (MX1)
3) Clement Desalle (MX1)
4) Gautier Paulin (MX1)
5) Ken de Dycker (MX1)
6) Max Nagl (MX1)
7) Rui Gonçalves (MX1)
8) Jeremy van Horebeek (MX1)
9) Tommy Seearle (MX1)
10) Jose Butron (MX2)
11) Shaun Simpson (MX1)
12) Evgeny Bobryshev (MX1)
13) Jeffrey Herlings (MX2)
14) Joel Roelants (MX1)
15) Jordi Tixier (MX2)
16) Christophe Charlier (MX2)
17) Davide Guarnieri (MX1)
18) Dean Ferris (MX2)
19) Max Anstie (MX2)
20) Alessandro Lupino (MX2)
22) Adam Chatfield (MX1)
31) Thales Vilardi (MX2)
32) Anderson Cidade (MX2)
34) Rodrigo Lama (MX2)
36) Balbi Junior (MX1)
38) Paulo Alberto (MX2)
39) Jean Ramos (MX1)

 

:: Resultado do GP – baterias somadas

MX1
1) Antonio Cairoli
2) Clement Desalle
3) Kevin Strijbos

MX2
1) Jeffrey Herlings
2) Jordi Tixier
3) Jose Butron

 

Cairoli #222 ultrapassou Strijbos #22 nas últimas voltas da Superfinal – Foto: Mau Haas / BRMX

 

:: Ultrapassagem de Paulin em De Dycker


* Texto atualizado às 23h30 de domingo, 19.