Bruno Crivilin disputa Campeonato Italiano de Enduro neste final de semana

Neste fim de semana (24 e 25/4), o brasileiro Bruno Crivilin disputa a terceira etapa do Campeonato Italiano de Enduro, em Piediluco. Este é o primeiro desafio da temporada para o piloto brasileiro, que se prepara para o Campeonato Mundial de Enduro, que começa em junho.

Crivilin viajou ainda em janeiro pra Itália e fez lá a sua pré-temporada, junto dos seus companheiros na equipe S2 Motorsport, Alex Salvini e Dan Mundell. É o segundo ano do capixaba na equipe. No final de fevereiro retornou ao Brasil para a disputa da abertura Campeonato Brasileiro, em prova que acabou sendo cancelada por causa da pandemia da Covid. Com dificuldade para retornar à Itália, não pode participar das duas primeiras rodadas do italiano.

“Deixar a Itália e ir para o Brasil já não foi fácil, mas voltar para a Itália foi ainda mais difícil. O plano era retornar na segunda-feira, logo após a etapa de abertura. Mas tive que ficar mais de um mês no Brasil, sem conseguir entrar na Europa, devido às restrições por causa do coronavírus. Começamos a tentar todas as possibilidades, o Alex Salvini tentando na Itália uma documentação que permitisse que eu pudesse viajar. Acabei viajando pra Doha e de lá pra Sérvia, que era um país que eu poderia desembarcar, e fiquei lá cerca de 12 dias, tentando uma autorização pra entrar na Itália e me juntar à minha equipe. Nesse período tive que fazer uns cinco testes de Covid, no Brasil, na Sérvia e até na Itália, depois que cheguei lá”, explicou o piloto.

Contando com piloto de todos os cantos do planeta, o Campeonato Italiano é considerado o mais disputado torneio do mundo, ficando atrás somente do Mundial, seja no nível das disputas ou na qualidade e exigência das provas. Esta terceira etapa terá 46 quilômetros de percurso e três especiais cronometradas. O Extreme Teste, de um quilômetro e meio, é bastante parecido com o extreme do Mundial em Espoleto, também na Itália, com subidas, descidas e terreno com muitas pedras, bastante técnico e que foi usado no Campeonato Mundial de 2008. O Cross Teste tem 3,5 quilômetros, com muitas curvas e um pouco travado. E pra finalizar, o Enduro Teste, com 5,5 quilômetros, alternando trilhas travadas e rápidas, com muitas pedras no chão.

Crivilin salienta que a prova servirá de preparação para o Campeonato Mundial, que é o seu principal foco nesta temporada. Ainda sem ritmo ideal, quer usar a prova para avaliar o nível e trabalhar em cima dos resultados. Será a primeira vez que poderá medir forças com seus principais adversários.

“Depois que consegui me juntar a minha equipe na Itália, voltei a intensificar os treinos. Apesar de ter perdido um pouco do ritmo pela viagem ao Brasil, estou animado. É a minha primeira corrida, acabei perdendo as duas primeiras do Italiano e é a primeira que estaremos com a equipe completa acelerando, eu, o Alex Salvini e o Dan Mundell. Estou confiante, mas um pouco ansioso, ainda não estou 100%, mas meu foco mesmo é o Mundial de Enduro, ainda faltam dois meses pro início, até lá espero me preparar melhor. Mas a primeira corrida do ano é assim mesmo, sempre bate a ansiedade, mas estou confiante. Vamos ver como vai ser, vou andar tranquilo, me divertir andando de moto, e depois vamos avaliar o resultado. Trabalharemos depois em cima do resultado, do que acontecer nesta primeira prova”, ressaltou Crivilin.

Por causa das medidas de restrição à pandemia do Covid, a prova será fechada ao público. O briefing será online, nesta sexta-feira, 23, às 18h30 (13h30 no Brasil), no Facebook e Youtube do Italiano de Enduro. Os resultados são online também, no site do Italiano de Enduro (www.italianoenduro.com). A largada, tanto no sábado quanto no domingo (24 e 25), será às 8h30 (3h30 no Brasil). No sábado os pilotos dão quatro voltas no percurso e no domingo mais três. No campeonato Italiano o brasileiro disputa a categoria Estrangeiros, para pilotos de fora do pais.

Bruno Crivilin é integrante dos projetos internacionais da Honda Brasil desde o ano passado, quando fez história ao conquistar quatro pódios em quatro provas – vencendo uma delas – e finalizando o Mundial na terceira colocação na categoria Junior 1, para pilotos até 23 anos e motos até 250cc. Além da Honda, Crivilin é atleta Red Bull e tem o patrocínio da ASW Racing, Edgers Racing, Airoh, Eleveit e X-Brand.