Ryan Dungey: “estou me ajustando ao ficar sem competir”

“É encorajador estar aqui e poder apoiar uma boa causa, um trabalho feito pensando no futuro. Essa atitude de ‘nunca desista’ é inacreditável”

 

Ryan Dungey não gosta de usar a palavra “aposentado”, porque apesar de não competir mais profissionalmente, ele tem apenas 28 anos.

Dungey passou seu primeiro ano longe dos gates de largada tentando entender a próxima fase de sua vida.

Recentemente o site RacerX Online, da Revista RacerX, fez uma entrevista com ele, justamente falando sobre sua carreira e as lições aprendidas no primeiro ano de “aposentadoria”.

A entrevista foi realizada num evento de caridade da Fox na Califórnia, há uma semana.

Confira a tradução na íntegra.

 

Estamos aqui na Fox hoje fazendo um eveno para o Wings for Life (Asas para a Vida, nome da entidade organizadora do evento). Você pode me falar um pouco sobre a organização?

Através das corridas e, obviamente, sendo um atleta Red Bull, conheço Heinz Kinigadner e seu filho Hannes (fundadores da Wings for Life) e como eles começaram todo esse trabalho.

Agora, todo o dinheiro arrecadado vai para as pesquisas sobre a medula espinhal.

Estou aprendendo muito com eles.

Definitivamente, estar aqui, conhecer e conversar com pessoas tetraplégicas e paraplégicas não é apenas inspirador, é encorajador, uma oportunidade única.

Quando você acha que sua vida está ruim, você pode aprender algo com essas pessoas.

Por isso é encorajador estar aqui e poder apoiar uma boa causa, um trabalho feito pensando no futuro, para que um dia as lesões na medula espinhal possam ser curadas e essas pessoas possam ter uma segunda chance.

Essa atitude deles, de “nunca desista”, é inacreditável.

 

É incrível como esses caras são positivos em situações terríveis. Você obviamente teve um acidente assustador em sua última temporada no AMA Motocross, quando fraturou o pescoço. Esse provavelmente foi um momento assustador para você.

Sim, foi uma fratura grave e, lembro-me de estar com minha esposa no consultório e o médico dizendo que, se tivesse fraturado um pouco mais, eu corria o risco de ficar paraplégico.

Você sempre pensa: “isso não pode acontecer comigo, isso não pode acontecer comigo”.

Você tem que ser positivo, escolher a fé e não viver com medo.

Essas certezas sempre me acompanharam em minha carreira, especialmente em 2017.

Foi uma batalha que enfrentei dentro de mim.

Como Aldon Baker sempre diz, você tem que viver a vida ao máximo e não pode ter medo de coisas assim.

É a vida.

Não podemos ter medo da vida e deixar de ir atrás de nossos sonhos e objetivos.

Mas, com certeza, lesões graves são algo que você nunca quer que aconteça.

 

Falando da vida, como é a sua hoje em dia?

É boa.

Tem sido muito boa.

Obviamente, este ano tem sido de muitas experiências.

Estou fazendo um monte de coisas diferentes com a KTM, a Fox, a Red Bull e a Oakley.

Estou trabalhando num novo projeto com o qual estou realmente empolgado, que será lançado no final deste ano, chamado Mind Champion (Mente de Campeão).

Estivemos gravando em estúdio.

Roger DeCoster também faz parte disso.

Estou fazendo várias coisas com meus parceiros e tendo um papel importante, conseguindo ser um bom embaixador das marcas em todos os níveis, fazendo um trabalho significativo.

Isso é algo que quero ampliar ainda mais no ano que vem.

Quero ajudar a dar e receber, usando minha experiência para ajudar outras crianças, pessoas, seja transmitindo conhecimento ou o que quer que seja.

Quero poder compartilhar isso e passar adiante.

 

Esse trabalho é maior com a KTM?

Acho que é grande com todo mundo.

Quando você é piloto, é apenas corrida, seu foco está nas corridas.

Mas eu continuo dando minha contribuição, para a KTM no desenvolvimento das motos e para a Fox no design e desenvolvimento dos equipamentos.

Isso é ser capaz de fazer outras coisas pelas corridas que não seja estar em cima da moto disputando elas.

Não estou competindo e conquistando vitórias, mas estou indiretamente ajudando outros pilotos a vencerem corridas.

Dungey discursando durante evento do Wings for Life

Mas então você tem treinado algumas vezes de moto para poder fazer esses testes? Ou está mais envolvido apenas com as relações públicas?

Faço promoção, marketing… tenho ajudado a construir as melhores motos e ajudado essas motos a vencer, satisfazendo nossos clientes.

 

Fora o motocross, você tem trabalhado em mais alguma outra coisa nos bastidores?

Falando especificamente das motos, estou há muito tempo na inatividade.

Estou me ajustando ao “ficar sem competir”.

Tenho passado mais tempo com minha esposa Lindsay, estamos aproveitando a vida.

Fora isso, mantenho-me ocupado com tudo que citei anteriormente.

O Mind Champion é algo que estamos trabalhando muito, juntamente com nossos parceiros.

 

Quando poderemos assistir o Mind Champion?

Provavelmente na época do Motocross das Nações.

Existe um processo de lançamento.

Será lançado em vídeo e as pessoas poderão comprar 100% online, com reembolso total se não ficarem satisfeitas.