Mundial de Enduro 2018: Crivilin faz dois top 10 na Estônia

Bruno Crivilin fez mais dois top 10 no Mundial de Enduro, dessa vez na Estônia – Foto: EnduroGP

 

Continuando sua jornada pelo Mundial de Enduro, Bruno Crivilin conquistou mais dois importantes resultados no fim de semana, 2 e 3 de junho.

O GP da Estônia foi uma prova bastante dura e muito concorrida, já que pela proximidade com Suécia e Finlândia, contou com vários pilotos desses países, sempre muito competitivos.

Na sexta-feira, 1º de junho, aconteceu o Superteste, uma especial muito técnica e com vários obstáculos artificiais, com um grande público acompanhando as disputas.

Crivilin acabou caindo e perdendo algum tempo, mas ainda assim conquistou a oitava colocação (quarto lugar na sua categoria).

Na queda, a moto acabou caindo sobre o piloto e a descarga quente acabou queimando parte de seu braço e costas.

A partir desta etapa foi estabelecida a parceria da equipe Orange BH KTM Racing com a Equipe Zanardo/Jolly, uma das melhores do circuito, para prestar assistência para o brasileiro no Mundial de Enduro.

Se a estrutura de ponta deu tranquilidade ao piloto, ainda assim ele teve que encarar, além de um difícil percurso, as dores constantes durante todo o final de semana por causa da queimadura.

Sempre andando entre os primeiros nas especiais, Crivilin finalizou o primeiro dia na oitava posição na categoria.

– Tentei andar sempre em um ritmo forte, mas as dores por causa da queimadura, principalmente na segunda metade da prova, acabaram incomodando um pouco, fazendo com que não conseguisse me concentrar direito e cometesse alguns erros, sem conseguir imprimir o ritmo que queria. A prova estava muito dura e não consegui me encontrar na moto e andar como queria. Acabei finalizando o sábado em oitavo, mas sabendo que poderia ser melhor – relatou Crivilin.

No domingo Crivilin conseguiu imprimir um ritmo melhor durante a prova, mas ainda assim teve que superar as dificuldades do percurso que, se já era difícil, piorava a cada volta.

– As especiais ficaram muito esburacadas, por causa do tipo de terreno mais arenoso, só que junto com a areia tinha também muitas pedras, pedras grandes e no decorrer da prova foram aparecendo muitas pontas de pedras e raízes. Não havia 50 centímetros da prova que não tivesse pedra, buraco ou raízes, a gente brigava o tempo inteiro e além disso tinha que ter muito cuidado para não estragar o equipamento. Mas o balanço é altamente positivo, mais uma experiência adquirida e a certeza de que precisamos melhorar em alguns pontos –  explicou Crivilin.

Mesmo com um percurso com maior nível de dificuldade, Crivilin subiu um lugar em relação ao dia anterior, finalizando o dia na sétima posição.

No Mundial, ocupa a sexta colocação na classificação, apenas dois pontos atrás do quinto colocado, depois de seis etapas disputadas.

Da Estônia ele segue direto para o Espírito Santo, onde no fim de semana, 9 e 10 de junho, tem mais uma prova válida pelo Brasileiro de Enduro, em Aracruz, sua cidade natal.

Crivilin lidera a Classificação Geral e a categoria E1.

Único representante brasileiro no Mundial de Enduro, Crivilin ocupa a sexta colocação na classificação – Foto: Janjão Santiago