Holanda anuncia equipe para o MXoN 2018 com uma polêmica

Jeffrey Herlings será capaz de levar a Holanda ao primeiro título de sua história no Motocross das Nações?

 

E os anúncios das equipes para o Motocross das Nações 2018, que acontece nos dias 6 e 7 de outubro em RedBud, nos Estados Unidos, seguem a pleno vapor.

Sem surpresas, a Holanda anunciou sua equipe nesta sexta-feira, 10, com Jeffrey Herlings (MXGP), Glenn Coldenhoff (Open) e Calvin Vlaanderen (MX2).

 

A polêmica envolvendo a convocação de Calvin Vlaanderen

Mas nesta convocação holandesa vale destacar uma polêmica.

Calvin Vlaanderen, que será o representante da equipe na MX2 (atualmente em 5º na classificação do Mundial de Motocross nesta categoria), é sul-africano, porém, possui passaporte holandês e licença holandesa (visto), mas é filiado à Federação Africana de Motociclismo.

De acordo com uma entrevista concedida pelo próprio Vlaanderen ao site britânico MX Vice, a federação africana reclamou para a Yotuhstream, exigindo que Vlaanderen defendesse a África do Sul neste Nações.

Vlaanderen se defendeu com a seguinte declaração:

– A federação africana nunca me ajudou em minha carreira, nunca, uma única vez. Aí tenho que ouvir eles reclamarem do fato de eu estar disputando o Mundial de Motocross como holandês, de subir ao pódio como holandês, alegando que não pedi permissão para fazer isso. É simplesmente ridículo. Estou muito chateado com essa situação. Obviamente eu sou um sul-africano e tenho orgulho de ser sul-africano, mas agora sou meio holandês e também me orgulho de ser meio holandês.

Com Vlaanderen na equipe, os holandeses vão para RedBud com três pilotos muito fortes e entram para a lista de favoritos ao título.

Vale destacar que, graças as brilhantes atuações de Herlings, a Holanda foi vice-campeã dos dois últimos Nações, em 2016 e 2017, sendo que em 2016 perderam o título para os franceses por apenas um ponto.

Convocação de Calvin Vlaanderen teve polêmica envolvendo a nacionalidade do piloto