Entrevista Jeffrey Herlings: “Estou perdendo as corridas nas largadas”

Jeffrey Herlings quer melhorar suas largadas no Mundial de Motocross – Foto: Ray Archer

 

Jeffrey Herlings está dando motivos para seus fãs ficarem empolgados. Largadas fracas seguidas de ultrapassagens alucinantes o tornam o piloto mais visado nas três primeiras etapas do Mundial de Motocross 2018.

Apesar de ter mostrado tamanha velocidade, está empatado na liderança da categoria MXGP com seu companheiro de Red Bull KTM, Tony Cairoli.

Ver Cairoli vencer o 84º GP de sua carreira em Redsand certamente não era o que Herlings esperava, e podemos ter certeza de que o holandês vai para a quarta etapa disposto a derrotar o italiano dentro de seus domínios.

Em Redsand, Herlings concedeu entrevista ao jornalista britânico David Bulmer, e enfatizou repetidamente a necessidade de fazer largadas melhores.

Confira a seguir a tradução, na íntegra.

 

Outro GP incrível, mas o final talvez não foi o que você queria, embora tenha sido ótimo para os fãs que assistiram…
Foi lindo de assistir, mas como um atleta, eu quero fazer a primeira curva após a largada entre os três primeiros e brigar pela vitória. Tenho largado fora dos cinco primeiros, às vezes até fora dos dez primeiros, tendo que lutar para fazer ultrapassagens e me recuperar. Isso é difícil de aceitar, mas a KTM é uma marca forte, vamos superar isso. Se você quer desafiar Tony (Cairoli) todo final de semana, então você precisa largar na frente junto com ele, ainda mais nestas pistas difíceis, como são as do mundial.

Como você poderia descrever o seu domingo em Redsand?
Como sempre, tentei vencer, mas na primeira bateria tive uma má largada e na segunda eu estava em quarto, quando Tony me cortou a frente ainda na primeira volta e acabei caindo. Não foi muito legal vindo de meu companheiro de equipe, mas isso é corrida e nós dois temos o mesmo objetivo. Voltei em 15º ou 20º e me recuperei até o segundo lugar, mesma posição que finalizei na primeira bateria, em ambas atrás apenas de Tony.

Ele fez um bom trabalho e voltamos a ficar empatados nos pontos na liderança. Quando assumi a segunda posição na segunda bateria, vi que restavam apenas alguns minutos e ele tinha sete segundos de vantagem. Sinceramente, acho que estou perdendo as corridas nas largadas, preciso melhorar isso. Tenho uma semana até o GP de Trentino para melhorar neste quesito.

Você menciona os aspectos que precisa melhorar, Tony já mencionou os dele e são completamente diferentes dos seus.
Pois é, não sei o que ele precisa melhorar, pois sempre larga na frente. Eu preciso melhorar minhas largadas, pode não ajudar muito, mas deve ajudar. Preciso largar consistentemente dentro dos cinco primeiros.

A etapa passada foi em casa para você, em Valkenswaard, a próxima será em casa para Tony, lá em Trentino. Você vê isso como uma vantagem para ele? Ou acredita que pode derrotá-lo dentro de seus domínios?
Sempre vou para vencer. Sim, basicamente a corrida será em casa para Tony, mas farei o meu melhor. Correr um GP em casa certamente deixa ele mais motivado, tem a torcida italiana, mas vou correr do mesmo jeito de sempre. Ele realmente estará motivado pela vitória, mas da minha parte vou dar o meu melhor e ver o que acontece.

 

Foto: Ray Archer

 

Em relação ao calendário, você sabe quais pistas são mais favoráveis ao seu estilo de pilotagem, ou não existe estratégia? Você prefere pensar uma corrida de cada vez?
Uma delas na verdade foi essa de Redsand, mas é muito diferente treinar no inverno e treinar agora. Os saltos são diferentes. Na Itália vai ser uma corrida difícil, mas se eu largar bem, entre os três primeiros, sei que posso vencer. Lá não é o tipo de pista que você pode largar em 15º e chegar em primeiro.

E como você está sentindo a concorrência de um modo geral na MXGP este ano?
A competição é forte. Não é legal ficar sempre largando atrás e vir ultrapassando todo mundo, tenho apenas que melhorar isso. Eu sei que tenho uma grande equipe por trás de mim e vamos trabalhar nisso nas próximas semanas. Talvez não seja resolvido, mas podemos melhorar. Eu não sou o melhor dos pilotos quando o assunto é largada, mas continuo trabalhando para melhorar.

Claro, ainda temos muitas corridas…
Sim, é uma longa temporada, ainda temos 17 corridas, então vamos fazer o melhor que pudermos.

Pauls Jonass é o primeiro piloto desde você a vencer seis baterias consecutivas na MX2. Qual sua opinião sobre ele no momento?
Se quiser vencer 61 GPs na MX2 terá que fazer algumas coisas ainda, mas ele está indo bem este ano. O vejo diariamente e todo fim de semana e ele está sempre pilotando forte, além de estar mentalmente forte. Ele não se importa com nada, ele sabe que ele é o cara. É bom ver isso. Ele é muito calmo e tranquilo, é ótimo ver alguém assim.