Entrevista Dean Wilson: “Estou feliz por continuar”

Dean Wilson conseguiu seu primeiro pódio na categoria 450SX do AMA Supercross em Indianapolis – Foto: MX Large

 

Depois de algumas lesões e temporadas ruins, Dean Wilson chegou a temporada 2017 sem equipe.

Sem desanimar, ele disputou a etapa de abertura do AMA Supercross em Anaheim com um esquema privado e, quatro semanas depois, estava de volta a uma equipe oficial de fábrica ao assinar com a Rockstar Energy Husqvarna.

Até agora o ex-campeão do AMA Motocross na categoria 250, conseguiu um pódio na categoria 450 no AMA Motocross do ano passado e na 12ª etapa do AMA Supercross, em Indianápolis no sábado, 24.

O segundo lugar em Indy mostra que a lesão no ombro, sofrida na abertura em Anaheim, já não é mais um grande problema, apesar de incomodar um pouco.

O repórter Chase Yocom, do site MX Large, esteve em Indianápolis e conversou com Wilson após este primeiro pódio dele na categoria 450SX.

Confira a tradução da entrevista na íntegra.

 

Dean, segundo lugar, o que deu em você hoje?
Eu sei, foi incrível. Estou super feliz. Tenho trabalhado duro desde novembro. Tenho tentado me recuperar da lesão no ombro e sinto que ela está curando, mas ainda me incomoda. Eu não sei, finalmente larguei bem e andei bem. A minha classificatória foi boa, mas as minhas largadas não estão sendo como eu gostaria. Hoje larguei bem, foi uma noite incrível e consegui o segundo lugar nessa pista difícil.

Essa lesão no ombro atrapalha os treinos durante a semana?
Tenho treinado três dias por semanas nas últimas quatro ou cinco semanas, mas houve um tempo em que eu não estava treinando por três semanas ou mais. Foi difícil. Parece que nunca cura. Quando estou dormindo luto para suportar a dor. Mas estou feliz por continuar, não desistir e estar aqui, porque é aqui que eu quero estar.

 

Foto: MX Large

 

Uma lesão como essa quase que tira um pouco da pressão porque você fica tipo “ah, ombro lesionado, não sei como vou pilotar”. Então você vai lá e finaliza em segundo…
Não, realmente não. Eu sinto que às vezes esse é o meu maior inimigo porque eu coloco muita pressão sobre mim mesmo. Eu só quero andar bem. Você só tem que fazer o seu melhor, manter-se positivo e é isso que funciona bem para mim. Hoje me concentrei na largada. Eu sabia que ia ser importante largar bem porque larguei mal na classificatória e fiquei em 8º. É tão superficial estar na parte de trás com todos aqueles caras. Eu fiquei tipo “preciso largar bem”, e larguei bem. Tentei manter um ritmo constante desde o início. Foi difícil, mas consegui.

Parece que você e o Luke Renzland (da categoria 250SX) quase tiveram noites idênticas. Você ficou em 8º na sua classificatória e ele em 9º na dele, e na corrida você foi 2º e ele em 3º, ambos com seus primeiros pódios.
A largada é importante. É um aprendizado difícil. Você perder de vista os caras na frente ou até os cinco primeiros se largar em 12º por exemplo. Você pode ultrapassar quantos quiser, é difícil recuperar o atraso. Tudo se torna mais fácil com uma boa largada.

 

Foto: MX Large

 

Você modificou alguma coisa na moto entre a classificatória e a final?
Não, sem alterações. Eu estava realmente super frustrado comigo mesmo. Você simplesmente se decepciona quando sabe que pode conseguir um resultado melhor que o da classificatória. Eu disse para ninguém na equipe falar comigo, para que pudesse me concentrar no main event.

Foram 27 voltas numa pista muito difícil. Ser um piloto de estatura maior que os outros representou uma vantagem para você?
Talvez sim, de repente numa pista difícil como essa de hoje eu tenha mais força para conduzir a moto, mas não sei se isso é uma vantagem ou não.

 

Foto: MX Large

 

É o seu primeiro pódio desde o AMA Motocross do ano passado. No supercross, este é o primeiro na categoria 450SX
Sim, fora isso, só consegui pódio no Monster Energy Cup.

Tinha esquecido disso, mas no AMA Supercross é seu primeiro pódio na 450SX. Como a equipe reagiu a este grande resultado?
Foi ótimo. Todos sabem o quanto trabalhei para chegar aqui e é onde sempre queremos estar. Eles viram meus resultados ruins, mas viram que eu nunca desisti. É legal. Essa é minha equipe e é legar celebrar isso com eles. Foi incrível!

Pois é, quando você caiu em Anaheim 1 e lesionou o ombro, isso poderia representar o fim da sua temporada, e aqui estamos na 12ª etapa, com você no pódio.
Sim, isso é ótimo! Esse é o objetivo desde o início e agora vou continuar tentando melhorar.