Dudu Lima vence as duas baterias finais e é campeão da Superliga Brasil de Motocross 2012 na MX2

O paulista Eduardo “Dudu” Lima – EMG Racing Kawasaki Rinaldi – ganhou as duas baterias finais na MX2 da Superliga Brasil de Motocross 2012, realizadas em Penha, Santa Catarina, neste domingo, 15 de julho.

Esta era a única combinação que dava o título a Dudu sem que ele precisasse esperar por resultados paralelos.

– Finalmente saiu o grito de ‘é campeão’. Estou muito contente com o resultado, foi um ano difícil, tive uma lesão que acabou prejudicando meu desempenho em algumas provas, mas felizmente consegui me superar e encerrei o campeonato no lugar mais alto do pódio – comemorou, depois de mostrar muita valentia e concentração.

>>> Veja as fotos das disputas de domingo!

Hector Assunção – Honda Mobil – que liderava a competição até o início das corridas no Beto Carrero World, acabou com o vice-campeonato após um 2-4 neste domingo.

Outro atleta que aspirava o título era Thales Vilardi, também da equipe oficial Honda. Ele finalizou o campeonato em terceiro, mesma posição que ocupou nas duas baterias do Beto Carrero.

Classificação final do campeonato

1) Dudu Lima – 260 pontos (campeão)
2) Hector Assunção – 256 pontos
3) Thales Vilardi – 246 pontos
4) Rafael Faria – 231 pontos
5) Anderson Amaral – 150 pontos
Classificação completa


Ranking de vitórias
(12 baterias em seis etapas)

Dudu Lima –
4 vitórias em baterias
Hector Assunção – 4 vitórias em baterias
Thales Vilardi – 3 vitórias em baterias
Anderson Amaral – 1 vitória em bateria

Resumo das provas

Dudu Lima pressiona Thales Vilardi na primeira bateria – Foto: Mau Haas / BRMX

Thales Vilardi largou na frente na bateria 1, seguido de Dudu Lima, Rafael Faria, Endrews Armstrong, João Ribeiro e Hector Assunção.

Dudu era mais rápido que Thales na seção de supercross qua antecede a subida da mata. E foi ali que ele fez as principais investidas de ultrapassagem. Quando assumiu a ponta, por volta dos dez minutos de prova, abriu vantagem para vencer e encostar em Hector Assunção na classificação geral.

Ao término dessa bateria, Hector, que foi segundo, ainda liderava com três pontos de vantagem. Tudo se resolveria na segunda bateria.

Na bateria 2, Hector Assunção largou na frente e tinha tudo para sair campeão. Quem fez o holeshot foi Pepê Bueno, mas sua liderança durou menos de uma volta.

Dudu largou apenas em quarto, seguido de perto por Thales Vilardi.

Na segunda volta, Dudu Lima já estava em segundo lugar e iniciava a busca por Hector Assunção, que tinha uma reta de vantagem. Nestas condições, o piloto da Honda seria campeão.

Mas, Hector caiu antes da seção de supercross e antecipou a alegria de Dudu. O tombo foi em um salto seco, em saída de curva. A moto saiu de traseira, e quando voltou, voltou fazendo efeito chicote, arremessando Hector.

Resultado das baterias somadas

1) Dudu Lima – 1-1
2) Thales Vilardi – 3-3
3) Rafael Faria – 4-2
4) Hector Assunção – 2-4
5) João Ribeiro – 6-5